Já imaginou um espaço com diversos conteúdos e muita troca sobre finanças com pessoas que também desejam aprender mais? Na Comunidade Juros Baixos você tem tudo isso! Além de ter acesso aos nossos especialistas e educadores para tirar dúvidas, você irá receber novidades em primeira mão que podem te dar aquela força na hora de cuidar das finanças de forma descomplicada.

Para acessar é rapidinho! Basta clicar no link: https://bemestar.jurosbaixos.com.br/comunidade


Morar sozinho é o sonho de muita gente, mas pode custar bem caro. Por isso, antes de se mudar, você precisa entender quais vão ser seus gastos e como economizar.

Para ajudar você, produzimos este conteúdo. A seguir, estão listadas as despesas que você vai ter e dicas para facilitar tudo. Acompanhe!

Quais são os gastos?

Morar sozinho inclui diversas despesas. A primeira delas é alimentação: seja no restaurante ou em casa, os custos da comida passarão a ser sua  responsabilidade quando você “sair de casa”. Preparar sua própria alimentação costuma ser mais barato, e a compra no supermercado, se realizada de uma só vez, pode trazer bastante economia.

Contas de água, luz e gás também entram no cálculo. Os serviços são essenciais em casa, e podem ser cortados caso não sejam pagos em dia. O mesmo para internet, telefone (móvel ou fixo) e TV a cabo.

O transporte de um canto ao outro da cidade é outro custo listado. Seja por meio do transporte público, seja para o pagamento da gasolina de um veículo, os valores devem ser considerados no planejamento da “nova vida”, pois farão grande diferença no orçamento do mês.

As despesas também mudam se o morar sozinho significa realmente “sozinho”. Dividir a casa com alguns amigos, ou mesmo optar por uma república pode ser bastante vantajoso, pois assim todos os custos serão divididos. Antes de escolher opções assim, entretanto, é importante ter certeza que você está disposto a dividir também sua vida e o espaço com outras pessoas que não são da família.

Morar com amigos, além de ser mais barato, pode suprir a falta da família no dia a dia.

O tipo de moradia também traz certa diferença nestes custos. O aluguel de uma casa costuma ser muito mais caro do que o de um apartamento de tamanho médio. A localização da imóvel é outro ponto a se considerar, pois a locação têm igual influência sobre o preço de locação.

Se o espaço for uma apartamento, é preciso considerar ainda o condomínio. A taxa mensal é obrigatória a todo morador, e costuma ser paga pelo inquilino. Impostos como o IPTU, no entanto, são responsabilidade do dono do imóvel.

Escolha ter ou não ter “luxos”

A limpeza do espaço é outra despesa a ser considerada. Fazê-la por conta própria normalmente é mais barato do que contratar uma faxineira. Entretanto, a contratação de um profissional pode ser bastante vantajoso, e torna-se mais barato quando o faxineiro é uma boa indicação.

A faxina, porém, é considerada um “luxo” aos que moram sozinhos. Afinal, é uma despesa extra que não é essencial ao dia a dia – apenas traz mais conforto.

Nesta categoria, há também a lavanderia, que pode ser útil, mas deve ser bem avaliada. Talvez seja mais vantajoso pagar para a limpeza de roupas mais delicadas, apenas, e realizar o resto da lavagem em casa.

Pagar por serviços como lavanderia é um luxo a quem vai morar sozinho, e deve ser bastante ponderado.

Um detalhe poucas vezes considerado é a mobília e a decoração do imóvel. Isso porque nem sempre o espaço alugado conta com camas, sofá, geladeira e outros utensílios básicos. Assim, antes da mudança à nova casa, é fundamental considerar estes gastos nos primeiros meses da moradia.

Quais são os custos envolvidos

Morar sozinho exige muito planejamento, pois você vai ter que gastar com coisas que nunca tinha parado antes para analisar. Confira abaixo quais são essas despesas principais.

Moradia

A menos que você já tenha um imóvel, vai ser preciso pagar por uma moradia. Pode ser um aluguel ou a prestação de um financiamento, dependendo do que você achar que mais combina com o seu caso.

Esses custos podem ser bem altos, dependendo do imóvel e da região. Em São Paulo (SP), por exemplo, o custo médio do aluguel mensal é de R$ 3.476,00. Já em Belo Horizonte (MG), essa média fica em R$ 1.700,00.

Mas claro, esses valores podem ser bem mais baixos. Em BH, por exemplo, é possível, sim, encontrar um apartamento para alugar por menos de R$ 1.000,00. O preço que você vai pagar por sua moradia vai depender do bairro, do tipo de imóvel, tamanho do espaço e mais.

Então, a dica para saber quanto você realmente vai gastar é entender, primeiro, onde você vai morar. Escolha bairros em que você gostaria de se estabelecer e pesquise por aluguéis nesta região. 

Assim, você vai ter uma noção mais clara do custo mensal previsto com moradia para o seu caso.

Um financiamento de imóvel, por sua vez, considera ainda mais variáveis. Incluindo o tempo de pagamento do financiamento (quanto maior, menor tendem a ser as parcelas).

Neste caso, você pode fazer a estimativa dos valores mensais no site da Caixa Econômica Federal ou de outro banco.

Em geral, o custo com moradia costuma ser o mais alto que você terá ao morar sozinho. Então, é fundamental ter uma clara noção do quanto isso vai consumir do seu orçamento. Assim, você vai ter uma ideia mais clara se consegue mesmo começar a pensar em fazer tudo por conta própria.

Mobília

Sua casa vai precisar do mínimo de mobília. De cara, pode ser que você não compre muita coisa, e não há problema nisso. Aliás, comprar aos poucos vai ajudar a ter controle das finanças e evitar dívidas.

Mas assim que começar a morar sozinho, você vai precisar de, pelo menos, duas coisas: uma cama e uma geladeira. Eles vão trazer um pouco de conforto para o seu dia a dia.

Se puder gastar um pouco mais, também vale a pena optar por comprar logo um micro-ondas ou um fogão. Afinal, você vai precisar preparar seus alimentos, nem que seja um café pela manhã.

Será preciso adquirir, além dos móveis que já falamos: um sofá, uma TV, uma cama extra (caso você tenha um quarto de visitas), um guarda-roupa, armário para cozinha e para o banheiro, e pode ser preciso também uma mesa, para você fazer suas refeições.

Também podem ser necessárias outras mobílias e eletrodomésticos, como uma máquina de lavar roupas, um aparelho de som e objetos de decoração.

Além disso, sua conta também deve incluir itens básicos como talheres, toalhas, roupas de cama e mais. Você pode avaliar o que tem na sua casa hoje; assim, vai entender o que vai precisar comprar para morar sozinho.

Alimentação

Morar sozinho significa também ter que pagar por suas refeições o tempo todo. Pode até ser que você coma fora de casa, mas esse custo ainda vai ser seu.

Ainda tem o delivery e os alimentos que você vai comprar para a sua despensa. Ainda que você não tenha o costume de cozinhar, vai ser sempre bom ter ao menos um snack em casa, concorda?

Em média, o preço de uma cesta básica tem girado em torno de R$ 600,00. Então, esse deve ser custo aproximado com alimentação todo mês.

Contas e itens essenciais

As contas de casa são: a de energia elétrica, a de água e a de internet. Você também pode ter que pagar pelo sinal de TV e pelo fornecimento de gás, e esses são os valores mais básicos.

Pode ser também que você precise pagar condomínio; serviços de streaming; por uma vaga em estacionamento externo (caso seu imóvel não tenha garagem) e por aí vai.

Anote quais dessas contas vão fazer parte da sua realidade e entenda qual a média da sua casa hoje. Você deverá pagar um pouco menos morando sozinho.

Outros gastos são os com itens essenciais, como produtos de higiene pessoal, de limpeza, lixeiras e por aí vai. São coisas que você vai precisar para manter seu bem-estar e a organização do espaço.

Quanto custa tudo

Como contamos antes, os gastos de quem mora sozinho podem variar segundo uma série de fatores. Porém, listamos a seguir uma média que os custos podem ter.

  • Moradia: R$ 1700,00 mensais
  • Alimentação: R$ 600,00 mensais
  • Contas (luz, água e internet): R$ 400,00

Sendo assim, em média, morar sozinho pode custar cerca de R$ 2700,00 por mês, desconsiderando a compra de mobília e outros gastos. Mas o valor pode ser bem mais baixo se você souber economizar.

Formas de economizar morando sozinho

Veja abaixo algumas dicas para você economizar ao morar sozinho e ter que pagar todas as suas despesas.

Procure opções alternativas

Você precisa, mesmo, morar sozinho? Se a resposta for “não”, uma forma de economizar é optar por moradias compartilhadas. Uma república ou dividir os custos com amigos são alternativas interessantes.

Outra coisa que você pode fazer é escolher um meio de transporte mais barato. Assim, você não vai economizar em casa, mas vai poupar em outros gastos. Isso vai equilibrar seu orçamento.

Faça escolhas inteligentes

Uma forma de economizar com a mobília é se organizar para comprar tudo aos poucos. Pode até ser uma compra a prazo, dividindo tudo no cartão de crédito.

Neste caso, porém, tome muito cuidado para não acumular parcelas que você não pode pagar. O ideal é fazer uma lista de prioridades, definir quanto você pode comprometer do seu orçamento e comprar aos poucos.

Além disso, para economizar no dia a dia, você pode adotar alguns hábitos simples. Por exemplo, banhos mais curtos, usar lâmpadas de LED, cozinhar em casa em vez de pedir delivery etc.

Lembre-se: a maior dica é você se planejar! E também pesquise o máximo possível antes de escolher um imóvel e comprar suas coisas. Isso vai ajudar a economizar nem que seja um pouco, mas são economias que podem fazer toda a diferença depois.

Planeje!

A palavra chave em morar sozinho é “planejamento”. Antes de deixar as “asas dos pais”, é fundamental ter real noção do que você consegue ou não arcar. Ponha na ponta do lápis cada informação: qual seu ganho mensal? Quais suas despesas hoje? Quanto você paga em contas parceladas? Quando essas dívidas serão quitadas?

Verifique também a média de gastos para morar sozinho. Se os dados dos sus rendimentos e gastos previstos não forem compatíveis, analise em que área você pode cortar custos e começar a economizar.

O fundamental é não embarcar nesta “aventura’ sem ter a plena certeza de que sua renda permite o novo cotidiano. Do contrário, as finanças poderão sofrer grandes baques e o orçamento virar uma confusão. Então, só haverão duas possibilidades: voltar à casa dos pais, o que pode ser frustrante; ou angariar dívidas para o pagamento de outros débitos, o que pode se tornar uma bola de nove e prejudicar, e muito, o bolso.

Lembre-se: é normal que haja uma queda no padrão de vida no início do período sozinho. As coisas tendem a melhorar ao longo do tempo, só é preciso ter a certeza de que você pode garantir o mínimo ao dia a dia, sem apertos.

Author

Somos uma plataforma de bem-estar financeiro. Em nosso blog falamos sobre finanças pessoais e produtos financeiros como empréstimo, cartão de crédito, seguros e negociação de dívida. A Juros Baixos está desde 2016 desenvolvendo conteúdos de qualidade para nossos seguidores. Acompanhe nossas redes sociais, canal no YouTube e entre para nossa comunidade no Discord.

Comentários

// Adicionar na ultima linha do footer antes do fechamento do