planejamento financeiro
Para fazer um bom planejamento financeiro, você vai precisar colocar na ponta do lápis todos os seus ganhos e gastos.

Fazer um bom planejamento financeiro é fundamental para sua qualidade de vida.

Pode parecer exagero, mas não é. O planejamento financeiro ajuda a manter as finanças em dia e, assim, permite que você pague por suas despesas sem problemas.

Então, você conseguirá manter o pagamento das contas, da sua alimentação, moradia, lazer, e tudo isso tem a ver com sua qualidade de vida. Veja mais a seguir.

Importância do planejamento financeiro

O planejamento financeiro ajuda a prevenir o descontrole dos gastos. Dessa forma, ficam prevenidas também muitas “dores de cabeça” que poderiam vir com o atraso de dívidas e a falta de dinheiro para compras.

Sem contar que as dívidas têm juros e se tornam cada vez maiores. Sair delas depois, quitando tudo, pode ser complicado.

Também é importante se planejar para conseguir alcançar seus sonhos e objetivos. Se você souber o quanto ganha, o quanto gasta e tiver o controle disso, será mais fácil alcançar suas metas. Por exemplo, comprando um imóvel próprio.

Como se organizar financeiramente 

Para organizar as finanças, é preciso tomar alguns cuidados e, principalmente, criar uma rotina. Fazer o seu planejamento e segui-lo deve ser um esforço diário. Se você apenas definir metas, sem se preocupar com elas, ou mesmo se esquecer de anotar gastos, pode gerar todo um descontrole.

Registro das suas finanças

Para começar seu planejamento financeiro, você vai precisar fazer cálculos. Coloque na ponta do lápis (ou anote no computador) qual sua renda mensal líquida. Usar Planilhas e apps e ferramentas de planejamento financeiro pode ajudar. Algumas opções disponíveis são o Finance, GuiaBolso, e o Mobills.

Depois de anotar sua renda líquida, registre seus gastos recorrentes, como as contas de energia elétrica e água.

Outra coisa que você vai precisar registrar são suas dívidas em aberto. Indique quais são essas dívidas, seus valores, parcelas e prazo de pagamento.

Por fim, anote gastos supérfluos. Esses são os gastos que poderão ser cortados do seu orçamento, se for preciso. Mas, mesmo que esse não seja o objetivo, cortar gastos, será importante anotar tudo. Anotar tudo o que você compra, nem que seja um café na padaria da esquina, é essencial.

Planeje seus gastos

Depois de tudo isso, você vai poder fazer a análise do seu orçamento. Então, vai conseguir perceber se está gastando mais do que ganha, se tem problemas com dívidas, se precisa se reorganizar.

Tenha atenção a tudo e planeje o que você vai fazer em seguida. O objetivo é juntar dinheiro? Então, o que você vai fazer: cortar gastos supérfluos? Tentar baratear contas recorrentes? Vai procurar uma nova fonte de renda.

Pague débitos acumulados

No caso das dívidas em aberto, verifique quais são as mais altas e se elas têm juros acumulados. Se sim, priorize o pagamento delas, para se livrar do acúmulo de juros.

Muitas vezes, é possível renegociar as dívidas em atraso. Por isso, entre em contato com a financeira e tente um desconto antes de fazer o pagamento total.

Se a dívida tiver juros muito altos (o cartão de crédito, por exemplo), pode ser vantajoso “trocar” de dívida. Ou seja, você pode optar por um empréstimo pessoal, por exemplo, quitar o primeiro débito, e então pagar aos poucos pelo empréstimo.

Mas, de novo, você vai precisar se planejar. Não tome nenhuma decisão financeira antes de ter a certeza de que você vai conseguir arcar com ela.

Principais erros ao fazer o planejamento financeiro

Alguns erros são bastante comuns na hora de fazer um planejamento financeiro, o controle das finanças.

Começando por se esquecer de anotar seus gastos. Isso acaba provocando a sensação de que você tem mais do que imagina para gastar. 

Porque, por exemplo: se você gastou R$ 50,00 e se esqueceu de anotá-lo, vai achar que ainda tem esses R$ 50,00 disponíveis. Então, vai gastá-lo “novamente”, e no fim do mês a conta não vai fechar. 

É um erro frequente principalmente por causa do cartão de crédito, porque com ele você gasta agora para pagar depois. Por isso o cartão de crédito é considerado o vilão de muitos orçamentos.

Se você estiver com dívidas abertas, você ainda vai precisar tomar um cuidado extra. Esse cuidado é não gastar por impulso, porque assim você vai criar uma nova dívida. Acumulada com a primeira, ela pode gerar “buracos” no seu orçamento.

Muito cuidado com o cartão de crédito!

Como citado, o cartão de crédito é o vilão de muitos orçamentos. Então, se você quer diminuir seus gastos, uma dica é suspender o uso do cartão.

A lógica é simples: se você gastar só em dinheiro vivo, ele vai acabar em algum momento. E então, quando ele acabar, você vai suspender seus gastos, evitando dívidas.

Enquanto que no cartão de crédito é fácil “gastar sem ver”. Afinal, o dinheiro não vai estar saindo do seu bolso naquele momento. Você sai vai pagar o débito para a frente. O cartão traz a sensação de que você pode gastar mais do que realmente pode.

Então, cuidado com os gastos no crédito! E atenção ainda as taxas do cartão, além das taxas de juros que você paga em parcelamentos. Tenha controle de cada um desses pequenos gastos, para que eles não se tornem grandes dívidas.

Como proceder em caso de dívidas ou imprevistos?

Se você tiver dívidas ou imprevistos, uma boa solução pode ser obter um empréstimo.

Com o valor do empréstimo, você conseguirá pagar o débito em aberto mais facilmente. Ou ainda, vai conseguir cobrir o gasto que não estava previsto no orçamento.

Para conseguir o melhor crédito, vale a pena usar comparar vários bancos e financeiras. Assim, será mais simples encontrar a melhor condição e juros. Usar um simulador de empréstimo pode ajudar, como o Juros Baixos.

Um simulador de crédito permite visualizar várias ofertas de uma só vez. Então, fica mais simples comparar as opções e escolher a mais vantajosa.

Considerações finais

Na hora de fazer seu planejamento financeiro, saiba bem o que você ganha e o que gasta. Esse será o primeiro passo para ter maior controle das finanças.

A partir daí, você terá mais facilidade de pagar dívidas e alcançar outros objetivos. E se tiver problemas, poderá optar por uma opção de crédito mais barata, como um empréstimo.

Os juros do cartão de crédito, por exemplo, costumam ser altos. “Trocar” essa dívida por um empréstimo, com o qual você vai pagar o cartão, pode ajudar bastante seu orçamento.

Comentários