Todo início de ano é a mesma coisa: prometemos a nós mesmos que aquele ano será diferente em relação às finanças. Mesmo sendo a mesma coisa sempre, os primeiros meses acabam pegando as pessoas de surpresa com algumas contas de praxe ou dívidas de fim de ano. Descubra quais são essas despesas e como fazer para não passar por mais nenhum perrengue!

Apesar da ironia, a virada do ano é sim um bom momento de reflexão! Para rever o que foi feito dos últimos meses, como eles foram gastos (se bem ou mal), e perceber os erros e falhas na gestão financeira. 

Quanto gastou com despesas essenciais e supérfluas? Fez compras que se arrependeu? Conseguiu poupar dinheiro? Investiu em algo? Fez dívidas? Se sim, conseguiu quitar? 

Agora que o ano vai se iniciar, lembre-se de considerar os reajustes, afinal, tudo aumenta

Quais os principais gastos de início de ano? 

Cada pessoa terá seus próprios gastos, é claro, mas listamos abaixo os mais comuns para a maioria das pessoas:

IPTU e IPVA 

O Imposto Predial e Territorial Urbano – IPTU é pago independentemente se você tem um imóvel próprio ou vive de aluguel – neste último caso pode estar incluso no valor mensal. Este imposto é cobrado pelas prefeituras, geralmente, a partir de fevereiro. O valor pode ser parcelado ao longo do ano, mas pode ser pago à vista com um bom desconto.

Já o Imposto sobre a Propriedade de Veículos Automotores – IPVA é cobrado logo no início de janeiro. Como o IPTU, ele também oferece um desconto se for pago à vista – ou parcelado nos três primeiros meses do ano, sem desconto nesse caso. Ao longo do ano você ainda terá o licenciamento obrigatório.

Seguros 

O seguro pode ser de veículo, da residência ou de vida, por exemplo. Ele tem um valor total anual (que nem sempre será no início do ano), mas que pode ser negociado com desconto, se for pago à vista.

Escola/faculdade 

Se você tem filhos em idade escolar ou mesmo se estuda em alguma universidade particular, haverá anualmente custos com matrícula, além da mensalidade, que claro, todo ano aumenta! Além deste gasto, há também a lista de material escolar e uniforme (quando preciso). Considere também cursos livres como idiomas e outros.

Imposto de Renda 

O Imposto de Renda deve ser declarado entre março e abril por pessoas com renda anual maior que R$28.559,70. Caso o IR não seja descontado do salário, ele também deverá ser pago. Você pode parcelar em até oito vezes. Se retido na fonte, há a possibilidade de restituir parte do valor, transformando-o em renda extra.

Gastos de fim de ano 

Aqui mora o grande perigo! Começa pelo fim de novembro com a Black Friday, momento de grandes gastos com as promoções do ano e segue com o badalado dezembro! Festa de Natal com muitos presentes para a família e viagens, e claro, a virada do ano, com mais festas e mais viagens. 

Como organizar gastos para evitar dívidas 

Comece fazendo um planejamento financeiro. Ele será seu guia para saber exatamente o que entra e sai do seu bolso, organizando suas contas, dívidas e investimentos. 

Ele não serve apenas para organizar a sua vida, mas também te trazer segurança. Por meio dele você saberá exatamente o que precisa fazer para atingir os seus sonhos de maneira real e palpável, sem comprometer o seu orçamento.

Separamos algumas dicas para você se planejar durante o ano:

Controle seus gastos 

No tópico anterior falamos do planejamento financeiro e aqui ele vai funcionar para isso também! Por meio dele você conseguirá saber onde está indo o seu suado dinheiro, mas claro, há a compulsão e o consumismo, então precisa se atentar a isso. Procure restringir os gastos mensais. Como? Faça divisões por despesas em categorias de acordo com seu estilo de vida. Exemplo: 

  • 15% com mercado;
  • 10% com lazer;
  • 5% com beleza e saúde.

Com o valor estipulado você saberá o máximo que poderá consumir. 

Reserva de emergência

A reserva de emergência será o meio para te trazer mais segurança e não abrir um buraco nas suas finanças. É aquele dinheiro que você deixará guardado para retirar apenas quando acontecer alguma fatalidade, como alguma doença (sua ou do seu pet), um reparo na casa (a geladeira quebrou), entre outros. O mínimo ideal é que a quantidade seja equivalente a três meses do seu salário.

Aproveite receitas sazonais 

As receitas sazonais poderiam ser a salvação do brasileiro para quitar aquela dívida ou adiantar algumas parcelas do cartão, por exemplo, porém, muitos aproveitam para se endividar ainda mais! Em quais momentos esse valor pode ser aproveitado? 

  • Férias;
  • Décimo terceiro salário;
  • PLR (Participação nos Lucros e Resultados);
  • Distribuição de bônus;
  • Restituição de IR;
  • Comissões.

O valor varia de item para item e nem todas as pessoas possuem algumas das opções (como a PLR – que pode ter um alto valor, fazendo toda a diferença no orçamento familiar). De qualquer maneira, a pessoa precisa sentar e estudar. Pegar o planejamento financeiro dela e ver a melhor forma daquele dinheiro ser investido. É quitando dívidas atrasadas? Adiando parcelas? Já está tudo em dia? Então talvez seja o momento de trocar algum móvel da casa, por exemplo. Está tudo certo? Que tal guardar para uma viagem? A palavra aqui é prioridade.  

Comece o ano com o planejamento em dia 

O ideal é começar o ano sem dívidas. É claro que para muitos brasileiros isso é fora da realidade. Pesquisa do CNC (Confederação Nacional do Comércio) mostrou que o endividamento do brasileiro bateu recorde de 71,4% em 2021, sendo o maior percentual desde 2010. Como lidar?

Continue pagando as contas urgentes e recorrentes: aqui estão as contas mensais fixas, como água, luz, aluguel. Se deixar de pagar, virará uma bola de neve, então continue normalmente. Após isso, priorize as dívidas com as maiores taxas de juros.

Considerações finais

Você pode mudar seus hábitos financeiros a qualquer momento do ano, mas começá-lo de maneira organizada pode fazer você ter uma segurança muito melhor em relação à sua vida como um todo. Como costuma ser os seus anos em relação aos gastos? Conte nos comentários!  

Comentários