Tipos de Crédito

Esse é o tipo de empréstimo mais rápido e simples para sua empresa. A destinação do dinheiro é livre: pode ser usado para financiar a necessidade de capital de giro, para investimento, para projetos de expansão...

Tudo é feito pela internet, mas com todo o suporte necessário para concretizar a operação com segurança.

Faixa de valores: A partir de R$5.000
Faturamento da empresa: a partir de R$120.000
Aceita negativados ou empresa com protesto? Geralmente não
Juros: cerca de 2% ao mês

Parceiros:

O microcrédito é um empréstimo de pequeno valor a juros baixos, voltado para pequenos negócios. O empreendedor pode ser formal, informal, autônomo. Não tem problema! O importante é querer investir no próprio trabalho. É o mais adequado para MEI (Microempreendedores Individuais).

No meio disso tudo você ainda conta com a ajuda de um agente de microcrédito, que é uma pessoa que vai visitar o seu local de trabalho para entender melhor a sua necessidade. No microcrédito, o banco vai até você!

Esse empréstimo pode te ajudar na ampliação de estoques, na reforma da loja, compra de equipamentos, mas não serve para quitar dívidas pessoais.

Faixa de valores: No máximo R$15.000
Parcelas: No máximo em 24 vezes 
Aceita negativados? Geralmente não
Faturamento: até R$120.000 por ano
Juros: Baixos. No máximo 4% ao mês.

O Capital de Giro é o nome do dinheiro que você precisa ter para manter o dia-a-dia do seu negócio funcionando bem. Se ignorado, esse conceito pode estrangular as suas operações e matar a sua empresa.

Veja: você vende a prazo para seus clientes, compra a prazo dos seus fornecedores. Mas no meio do caminho precisa pagar as contas, os funcionários... Se você deixar alguma coisa faltar, você ou vai vender menos, ou vai gastar mais com engargos financeiros de empréstimos emergenciais de curto prazo.

Por isso, um empréstimo bem planejado pode dar tranquilidade para suas operações cotidianas e diminuir substancialmente os custos financeiros da sua empresa. 

Juros: cerca de 2% ao mês

Parceiros:

Se você vende à prazo, então essa é uma opção de crédito para você. Você pode antecipar o recebimento de suas vendas, e em troca dessa antecipação, o banco irá descontar uma taxa. Faturas (duplicatas mercantis) são aceitas pela maioria dos bancos.

Com essa antecipação, você pode financiar sua necessidade de capital de giro, mas é essencial que isso seja bem planejado para não prejudicar o futuro do seu fluxo de caixa.

Aceita negativados? Pode ser que aceite
Faturamento da Empresa: qualquer
Aceita MEI? Pode ser que sim
Juros: cerca de 4% ao mês.

Da mesma forma que as duplicatas, cheques podem ser descontados, e são fonte de financiamento para micro e pequenas empresas.

Mais uma vez, alerto: cuidado para não fazer disso uma prática recorrente e estrangular as operações da sua empresa! Talvez um empréstimo online seja uma melhor opção para estruturar o capital de giro.

Aceita negativados? Pode ser que aceite
Juros: mais alto que o desconto de duplicatas, cerca de 3% ao mês

As vendas feitas a prazo por cartão de crédito também podem ser antecipadas. Geralmente as maquininhas de cartão (adquirentes) prestam esse serviço, mas ele também pode ser feito por bancos.

E fica o alerta: veja se realmente vale a pena pagar a mais para ter essa antecipação.

Aceita negativados? Pode ser que aceite
Juros: cerca de 2% ao mês

Este tipo de crédito é destinado a exportadores brasileiros. O banco adianta recursos em moeda nacional (real) para a empresa exportadora, antes da mercadoria ser embarcada ou do serviço ser prestado no exterior. Assim, você consegue financiar a produção das respectivas mercadorias a serem exportadas.

Para ver outros tipos de crédito voltados ao comércio exterior, clique aqui.

Juros: muito baixos, cerca de 0,3% ao mês.

No caso do vendor, a empresa pode financiar seus produtos aos seus clientes, com crédito do banco, e aumentar suas vendas. A empresa recebe o valor da venda, mas assume o risco de crédito e arca com qualquer possível inadimplência de seus clientes.

Já no caso do compror, a iniciativa do financiamento parte da empresa compradora, que financia as compras feitas com seus fornecedores. O banco paga o valor à vista ao fornecedor, a empresa compradora assume o risco de crédito e paga parcelado ao banco.

Juros: média de 1% ao mês.

Crédito Rotativo - Cheque Especial

Essa é uma opção de crédito rotativo. Ou seja, ele fica disponível para sua empresa usar quando quiser, e ir pagando aos poucos. Pode ser entendido como um crédito para emergências. Mas ele é um tipo de crédito MUITO PERIGOSO.

Por isso, fuja dessa cilada! Para se preparar para emergências, o mais recomendado é você ter a sua própria reserva para emergências e identificar corretamente a sua necessidade de capital de giro, pegando um empréstimo planejado para esse caso (o que sai muito mais barato).

Juros: MUITO ALTOS! Mais de 13% ao mês!

Crédito Rotativo - Conta Garantida

Mais uma opção de crédito rotativo que pode ser perigosa para a saúde financeira da sua empresa, e que só deve ser usada em caso de emergências.

Funciona de forma semelhante ao cheque especial, mas com juros bem mais baixos, já que aceita garantias (como imóveis, veículos, recebíveis, investimentos).

Juros: altos, mas bem menores do que o cheque especial. Cerca de 3% ao mês.

Cartão de Crédito

O cartão de crédito é uma forma rápida de ter dinheiro emprestado: você compra algo hoje e só paga no dia do vencimento da fatura. É rápido, fácil, e super conveniente.

Por isso mesmo, tal qual na pessoa física, a empresa pode cair na grande cilada de descuidar do planejamento e estourar o limite. Se você fizer isso e não conseguir pagar toda a fatura, você terá duas opções: o parcelamento da fatura ou o crédito rotativo.

Além dos encargos de crédito rotativo ou de parcelamento, é importante atentar para a anuidade do cartão (que é a taxa mensal que você paga para tê-lo).

Juros: MUITO ALTOS! Cerca de 10% ao mês no caso do crédito rotativo

Se sua empresa necessita adquirir veículos sejam eles automóveis, motos, ônibus ou caminhões; novos ou usados - geralmente há dois modos de fazê-lo: pelo financiamento ou via arrendamento mercantil (leasing).

No financiamento, a compra do veículo deve destinar-se à manutenção ou ao aumento da capacidade produtiva, configurando-se como investimento. O veículo serve como garantia do crédito (alienação fiduciária).

No leasing, o arrendador concede ao arrendatário (pessoa jurídica) a utilização do veículo com opção de compra ao final do contrato.

Faixa de valores do financiamento: até 70% do valor do veículo
Prazo Máximo do financiamento: 5 anos
Aceita negativados? Geralmente não
Juros: baixos, pois o veículo serve como garantia. Cerca de 1,3% ao mês.

No financiamento, o crédito liberado pelo banco só pode ser usado para comprar o imóvel, que ficará em regime de alienação fiduciária até que toda a dívida seja quitada. Como o imóvel serve como garantia, os juros são baixos, mas como o contrato é longo, pequenas variações fazem diferença. Por isso, comparar as opções é fundamental.

Faixa de valores: De R$50.000 até 70% do valor do imóvel
Prazo Máximo: 20 anos
Aceita negativados? Pode ser que aceite
Juros: baixos, pois o imóvel serve como garantia. Cerca de 1% ao mês + correção monetária (geralmente pelo IGP-M)

Parceiros:

TOP
Shares