Powered by Rock Convert

O cheque especial tornou-se uma das maiores dores de cabeça de muitos brasileiros.

Muitas pessoas utilizam o cheque especial todo mês, como se fosse parte do salário, cometendo um erro gravíssimo e endividando-se com a linha de crédito com uma das taxas mais altas do mercado.

Aprenda a calcular os juros do cheque especial do seu banco e entenda o porquê você deve evitar utilizá-lo.

Nada especial

O cheque especial é uma linha de crédito disponibilizada pelo banco, atrelada a uma conta corrente.

O banco disponibiliza esta linha de acordo com a renda informada ao abrir a conta e a movimentação da mesma.

Para utilizar, o cliente não precisa pedir autorização ou assinar qualquer documento. Basta que o dinheiro disponível na conta acabe e todo débito será feito utilizando o limite disponibilizado pelo banco.

Na verdade, o cheque especial é um empréstimo. Trata-se de uma linha de empréstimo que o banco disponibiliza para o cliente correntista.

É o crédito mais caro disponibilizado pelos bancos, junto com o cartão de crédito. A tabela abaixo – do Banco Central – mostra as taxas cobradas por alguns bancos no mês de julho de 2018.

Fonte: Banco Central

Você deve evitar ao máximo utilizar o cheque especial. O ideal é nem mesmo ter este limite na sua conta. Aliás, você pode pedir ao seu gerente que cancele o cheque especial a qualquer momento. Se estiver devendo, negocie e peça para parcelar o débito.

Como calcular

Os juros do cheque especial são calculados sobre o saldo devedor.

Se você tem um limite de R$ 2.000,00 e utiliza R$ 1.000,00, os juros serão calculados sobre o saldo de R$ 1.000,00 que você utilizou.

A taxa de juros é mensal, mas seu cálculo é diário. Alguns bancos oferecem isenção para quem utiliza o cheque especial por alguns dias no mês, 10 dias por exemplo. Mas se no dia seguinte ao prazo promocional você não cobrir o saldo devedor, incidirão juros sobre todos os dias utilizados.

Para converter a taxa de juros mensal para diária, utilizamos a fórmula: Taxa diária = [(Taxa mensal + 1)1:30] -1, ou seja, a taxa diária é a taxa mensal mais 1, elevado a 1 dividido por 30 menos 1.

Por exemplo, se a taxa é de 11, 38% ao mês para calcularmos a taxa diária:

Taxa diária = [(11,38% + 1)1:30] -1

Taxa diária = [(0,1138 + 1)1:30] -1

Taxa diária = [(1,1138)1:30] -1

Taxa diária = 1,00359 – 1

Taxa diária = 0,00359 ou 0,359% ao dia

Se você utilizar R$ 1.000,00 do cheque especial com uma taxa mensal de 11,38% a.m. ou 0,359% a.d., pagará R$ 3,59 por dia.

Com a taxa diária em mãos, você poderá calcular o valor total da dívida.

A fórmula é Valor devido = Valor inicial x [(Taxa diária + 1)número de dias da dívida]

Seguindo nosso exemplo, vamos calcular a utilização de R$ 1.000,00 durante 2 meses com a taxa de 11,38% a.m.

Valor devido = 1.000 x [(0,359% + 1)60]

Valor devido = 1.000 x [(0,00359 + 1)60]

Valor devido = 1.000 x [(1,00359)60]

Valor devido = 1.000 x 1,239879

Valor devido = 1.239,88

No nosso exemplo, se você utilizar R$ 1.000,00 do cheque especial por 2 meses (60 dias) deverá pagar, além dos R$ 1.000,00, mais R$ 239,88 só de juros.

O cálculo dos juros do cheque especial segue a fórmula de juros compostos, ou seja, juros sobre juros. Por isso, muitas pessoas acabam se endividando sem perceber, minimizando o efeito dos juros.

Evite o uso do cheque especial e se estiver com dificuldades para quitar a dívida, considere linhas de crédito mais baratas. O mais importante é controlar as finanças e evitar endividamento desnecessário, pagando juros para os bancos e criando um rombo no orçamento.

Powered by Rock Convert

Escrever comentário

Shares