É de pequeno que se aprende e isto também vale para a maneira como devemos ensinar as crianças a lidar com o dinheiro. Tem alguma dúvida sobre o assunto? Acesse:

Para acabar com o tabu de que dinheiro é assunto de gente grande, vamos apresentar 10 maneiras de ensinar as crianças sobre dinheiro.

Quer saber mais sobre dinheiro e filhos?

Leia sobre:

1) O Valor das coisas

Deve-se ensinar, desde a mais tenra idade, que as “coisas” têm um valor e que devemos pagar pelas mesmas.

Você pode utilizar jogos pedagógicos ou ter uma conversa simples, explicando que entregamos o dinheiro que temos em troca de algo que queremos. Comece incentivando a criança a entregar o dinheiro no caixa e receber o troco, guardar dinheiro na carteira e que aquilo que ela quer tem de ser pago de alguma forma.

2)  Mesada

A mesada (ou semanada) deve ser um valor fixo entregue a criança para que a mesma gaste com despesas como lanches e petiscos, brinquedos e objetos de pequeno valor.

Determine o valor e ensine a criança a controlar os gastos, já que se gastar demais você não dará mais nenhum centavo até o mês seguinte.

E nada de adiantamentos pois a criança pode se acostumar a pedir “socorro” financeiro e, com isso, não irá controlar suas despesas.

3) Poupança

Ensine a criança a separar parte da mesada para uma poupança, que servirá para comprar um presente mais caro ou será utilizada em um passeio ou atividade de lazer (cinema, parque).

Estabeleça metas a serem atingidas como, por exemplo, poupar uma determinada quantia para comprar presentes em datas como Dia das Mães e Natal.

Acabe com o mito de que poupar é sovinice, coisa de gente “pão-dura” ou “mão de vaca” como se diz popularmente, e explique a importância de guardar dinheiro para atingir objetivos futuros.

4) Consumo consciente

Ao mesmo tempo em que ensinamos que sobre o valor das coisas e da importância de administrar o dinheiro, devemos explicar que o consumo consciente evita desperdício não só de dinheiro como de recursos.

Explique a importância de economizar água, evitando torneiras abertas sem necessidade e banhos demorados. Da mesma maneira, incentive a economizar energia elétrica.

O mesmo vale para o desperdício de alimentos.

5) Desapego

Muitas crianças têm brinquedos que mal saíram da caixa por isso, explique a seu filho(a) que não há necessidade de acumular jogos e brinquedos sem necessidade.

Antes de dar-lhe um novo brinquedo certifique-se de que já não há um modelo igual ou parecido esquecido em algum canto da casa.

Faça com que a criança tenha somente os jogos e brinquedos com os quais ela ou ele realmente irá brincar ou os que são considerados especiais, os favoritos.

Estimule a criança a doar aquilo que não será utilizado para outras crianças.

Ensine a criança a separar parte da mesada para uma poupança, que servirá para comprar um presente mais caro ou será utilizada em um passeio ou atividade de lazer (cinema, parque).

6) Supermercado

Já reparou em produtos como biscoitos e cereais matinais vendidos nos supermercados? Você percebeu como as embalagens são coloridas e têm sempre um personagem animado? Não é por acaso.

A ida ao supermercado é um hábito de muitas famílias. As empresas sabem disso e desenvolvem embalagens para chamar a atenção das crianças.

Mas ao invés de evitar que seu filho vá ao supermercado, você deve ensiná-lo de que tudo o que está ali tem preço e que nem tudo será colocado no carrinho.

Converse com a criança e prepare-a antes de ir fazer compras. Explique que há uma lista do que será comprado e se ela quiser algo fora da lista, terá de pagar com o dinheiro da própria mesada.

7) Renda e orçamento

Desde muito cedo as crianças percebem que mamãe e papai precisam trabalhar.

Partindo deste fato, explique às crianças sobre a importância do trabalho, sobre o salário que recebem para pagar as contas e sustentar a família e que o dinheiro da mesada vem do que a mamãe e o papai recebem de salário.

Além disso, ensine noções sobre orçamento: o que é e para que serve e como toda a família está envolvida, inclusive as crianças.

Com isso, você fará com que a criança obtenha noções de responsabilidade e entenda a importância de administrar o dinheiro.

8) Notas escolares

Além de brincar, a única atividade na vida de uma criança deve ser estudar.

Por isso, mamães e papais não devem oferecer incentivos financeiros para as crianças com o objetivo de que as mesmas consigam boas notas e façam seus deveres. Isto é uma obrigação dos pequenos.

Caso a criança tenha um desempenho excepcional, você pode até oferecer um prêmio também excepcional, uma recompensa inesperada. De preferência, ofereça um valor para ser guardado na poupança. Uma espécie de 13º ou gratificação de Natal.

Parabenize e explique que aquele valor é uma gratificação extra e pergunte o que ela gostaria de fazer com aquele dinheiro, incentivando-a a poupar ao invés de gastar.

9) Dê exemplos e não punições

Todos nós erramos e é óbvio que a criança também poderá errar, em algum momento, no modo como lida com o dinheiro.

No entanto, não se esqueça de que educamos pelo exemplo e não pelo castigo.

Não adianta exigir que a criança economize o dinheiro da mesada e gastar compulsivamente no final de semana. Também de nada adianta pedir que a criança gaste conscientemente e tenha noção da importância do orçamento doméstico se deixamos luzes acesas e dormimos com a tv ligada.

Se a criança cometer algum deslize como gastar a mesada antes do fim do mês, não conseguir poupar o suficiente ou perder dinheiro de alguma forma, converse e tente entender o que aconteceu. Verifique se a criança não está apenas repetindo gestos e ações praticados pelos adultos da família.

10) Saiba dizer não

Crianças não são adultos em miniatura. Elas ainda não têm maturidade, vivência e controle emocional suficientes para lidar com as diversas adversidades da vida.

Por isso, é preciso ter paciência e ao mesmo tempo firmeza.

Algumas vezes, será preciso dizer não e manter o que foi combinado em situações como gastar demais, não poupar, querer comprar algo muito caro ou fora de época etc.

É uma maneira de ensinar que, não só na educação financeira, mas também para vida, o combinado não sai caro.

Comentários