Contratou um empréstimo e agora está preocupado com o tamanho das parcelas a serem pagas? Felizmente, para isso existe a portabilidade de crédito. Ela é uma ferramenta muito útil para os consumidores e torna o mercado de crédito mais competitivo. Não sabe do que se trata? Neste artigo o Juros Baixos vai te explicar tudo sobre portabilidade de crédito e como ela pode ser usada.

Afinal, o que significa portabilidade de crédito?

Portabilidade de crédito é, basicamente, a possibilidade de transferir o crédito de uma instituição para outra, tendo acesso a condições diferentes, como uma taxa de juros mais baixa.

Ela é usada pelos clientes que, depois de contratarem crédito em determinada instituição, encontram um crédito pelo mesmo valor, mas em melhores condições, em outra instituição, e desejam trocar um produto pelo outro.

A portabilidade de crédito surgiu em 2013, a partir da Resolução 4.292 do Banco Central. Segundo essa Resolução, a instituição que concedeu o primeiro empréstimo é obrigada a aceitar a operação, ou seja, a transferência da dívida, se o consumidor requisitar. A medida tem o efeito de aumentar a competição entre as empresas de crédito, beneficiando ainda mais os consumidores.

Veja também: Dívida com banco – descubra como quitar

Como funciona a portabilidade de crédito

O funcionamento da portabilidade de crédito é bem simples. O consumidor deve entrar em contato com a instituição para a qual deseja transferir sua dívida e, caso ela aceite, a portabilidade de crédito será realizada entre as instituições.

Por lei, a instituição do crédito inicial é obrigada a fazer a portabilidade de crédito, mas há algumas situações específicas em que ela pode não aceitar. É o caso, por exemplo, de a instituição para a qual se destina a dívida ter problemas legais. Mas esses impeditivos para a portabilidade devem ser informados por escrito, conforme manda o Código de Defesa do Consumidor.

O novo crédito contratado também não pode ter um valor ou prazo que sejam superiores aos do crédito original. Não podem ser cobradas taxas para a realização da portabilidade, mas é possível que o novo crédito contratado apresente taxas específicas, como no caso de a nova instituição requisitar a abertura de uma conta.

Quais os tipos de portabilidade de crédito

Todas as formas de crédito para pessoa física são contempladas pela portabilidade de crédito. São elas:

  • Empréstimo pessoal
  • Empréstimo consignado (para servidores públicos, aposentados e pensionistas do INSS, etc.)
  • Cheque Especial
  • Cartão de crédito
  • Financiamento imobiliário
  • Financiamento de veículos
  • Empréstimo com garantia de imóvel
  • Empréstimo com garantia de veículo

O empréstimo consignado é, de longe, o tipo de crédito em que mais se realiza a portabilidade, por apresentar maior facilidade para essa operação, quando comparada a outros tipos de crédito. Mas os clientes de empréstimos consignados devem se certificar se a nova instituição financeira também possui convênio com o órgão público responsável pelo benefício ou com a empresa que paga o salário.

Confira também: Como sair das dívidas em 5 passos

Como solicitar a portabilidade de crédito

Conheça a dívida atual

Antes de tudo, é preciso entender exatamente como está a sua dívida com a atual instituição de crédito. Para isso, você deve requisitar um documento, normalmente um extrato de saldo devedor, que tenha informações detalhadas como: saldo devedor atualizado, taxa de juros anual (nominal e efetiva), valor das parcelas, prazo para o pagamento do resto do empréstimo, etc.

Pesquise por melhores opções

Pesquise por opções de crédito com condições melhores que o crédito atual. Lembrando que deve ser um crédito do mesmo tipo, ou seja, se você já tem um empréstimo consignado, deve buscar por outro empréstimo consignado, por exemplo. Veja também se a nova instituição financeira trabalha com portabilidade. Confira todas as condições do novo crédito, especialmente o Custo Efetivo Total.

Solicite a portabilidade

Entre em contato com a instituição para a qual deseja transferir a dívida e solicite a portabilidade. Alguns dados e documentos, sobre você e seu crédito atual, devem ser informados. Lembre-se de que os erros no fornecimento desses dados é a principal razão par uma solicitação de portabilidade não ser efetivada.

Caso a nova instituição aceite a operação, ela entrará em contato com a instituição de crédito atual para realizar a portabilidade. Essa última poderá recusar a operação apenas por motivos bem específicos, como mencionado anteriormente.

Quando é uma boa opção solicitar

O que realmente vai determinar se a portabilidade de crédito é vantajosa ou não é Custo Efetivo Total (CET). Além da taxa de juros, que é o valor mais informado pelas empresas de crédito, o CET também contabiliza outros custos da operação, como tarifa e impostos.

Você deve, então, comparar o saldo devedor atualizado do crédito original com o Custo Efetivo Total do novo crédito. Por lei, as instituições de crédito são obrigadas a fornecer esses dados. No caso do CET, uma opção é fazer uma simulação, através da qual você conhecerá todos os custos do negócio.

Outras formas de negociar uma dívida

Além da portabilidade de crédito, a negociação de dívidas se apresenta como uma excelente opção para os consumidores. Infelizmente, ela também é um recurso ainda pouco aproveitado pelos consumidores brasileiros, que se sentem constrangidos em discutir os seus débitos.

Ocorre que, na maioria das vezes, as empresas credoras desejam recuperar os seus investimentos, ainda que parcialmente, o mais rápido possível, e por isso podem oferecer descontos altos nas dívidas. Além disso, existem atualmente empresas especializadas na negociação de dívidas online. Elas oferecem um serviço rápido e altamente profissional, e são capazes de conseguir descontos de até 95%!

Aqui mesmo no Juros Baixos você pode conseguir negociar a sua dívida. Entre as vantagens da nossa plataforma está o fato de trabalharmos em parceria com mais de 30 grandes empresas do Brasil e do exterior. Confira aqui.

Se esse conteúdo foi útil para você, não deixe de conferir nosso blog, onde poderá encontrar outros artigos sobre educação financeira. Além disso, também temos um canal no YouTube, com vídeos bem didáticos.

Comentários