Quer comprar seu imóvel, mas não sabe bem por onde começar? Então, este conteúdo é para você!

A seguir, listamos as melhores dicas para você fazer, e também cuidados para ter a certeza de fazer uma boa compra. Acompanhe!

Qual a forma mais barata de comprar um imóvel?

A forma mais barata de comprar um imóvel costuma ser à vista, pois assim não há juros do banco.

Para quem quer fazer uma compra no futuro, o consórcio pode ser mais interessante. Já quem deseja a compra imediata, costuma ficar com o financiamento.

Assim, a forma mais barata de comprar seu imóvel vai depender da sua realidade. Vale a pena analisar e comparar as alternativas com cuidado antes de escolher a melhor.

10 dicas financeiras para comprar seu imóvel

A seguir, listamos dicas simples, mas eficazes para você adquirir seu imóvel próprio. Acompanhe!

1. Defina suas necessidades

Na hora de comprar um imóvel, é importante entender qual tipo de espaço você precisa. Isso é fundamental para você planejar como vai fazer a compra, e também evitar dores de cabeça depois.

Por exemplo: você sabe que vai construir uma família em breve, e vai precisar de pelo menos três quartos em casa. Porém, um imóvel de dois quartos está barato, e você resolve adquiri-lo.

De início, pode parecer uma ótima opção, mas não é. Com o tempo você vai precisar do terceiro quarto, e terá que adquirir um novo imóvel. Conseguir vender o seu atual e comprar um novo é algo que costuma demorar muito tempo, então não vale a pena.

Assim, defina muito bem o que  você precisa. Se são necessários três quartos, não abra mão disso. Avaliar os demais cômodos necessários para casa deve respeitar a mesma lógica.

Aqui, também vale a pena entender o que você vai precisar próximo ao imóvel. Um supermercado? Um posto de saúde? Uma escola? Avaliar a sua comodidade é importantíssimo para tomar uma boa decisão também.

2. Pesquisa locais e endereços de interesse

É sempre bom estar aberto a novos locais. Mas isso não quer dizer que você não possa dar prioridade por pesquisar imóveis em regiões em que quer realmente morar.

Vale a pena criar uma área mental para pesquisa, até mesmo para auxiliar o trabalho dos corretores de imóveis, que vão procurar os espaços para você.

3. Calcule o preço total do imóvel

O preço total de um imóvel não é só o valor que você paga por ele. Existem também outras taxas, por exemplo para transferência do bem para o seu nome.

Também pode ser que você precise fazer alguma instalação ou reforma.  Normalmente também é preciso fazer uma boa faxina e pintar as paredes. Sem contar o transporte da sua mudança para o novo local, e talvez novos móveis.

Todos esses custos devem entrar no seu planejamento. Assim, você terá a certeza de conseguir todo o valor necessário para sua nova moradia.

4. Tenha 20% do valor do imóvel

A forma mais comum de obter um imóvel é por financiamento. Então, é importante que você tenha parte do valor total para dar de entrada no financiamento.

Em geral, os bancos pedem pelo menos 20% do valor do imóvel como entrada. Por isso, se você pretende mesmo comprar sua casa, comece a economizar. Assim, você terá logo, logo, o capital necessário para dar início à sua compra.

5. Reserve no mínimo 30% da sua renda mensal

Especialistas financeiros dizem que o valor mensal de um financiamento não deve ultrapassar 30% da sua renda mensal.

Se você tem uma renda de R$ 3.000,00 mensal, por exemplo, não deverá pagar uma parcela maior que R$ 900,00 por mês ao banco.

Isso é importante porque, além do financiamento, você terá outras despesas mensais. Então, se comprometer muito sua renda, você pode não conseguir pagar suas contas e entrar em dívidas.

Vale a pena dizer que dá para somar a renda de várias pessoas na hora de entrar em um financiamento. Pais e filhos que trabalham, por exemplo, podem financiar juntos um apartamento. 

Neste caso, a renda maior pode contar para a diminuição de juros, e também vai ajudar a ter um aporte maior para o pagamento mensal das parcelas.

6. Faça um planejamento de custos adicionais

Como dissemos antes, comprar um imóvel não significa apenas pagar por ele ao vendedor. Na verdade, você terá custos de transferência, de pintura, reforma, de manutenção ao longo do tempo e mais.

Coloque na ponta do lápis todos esses custos. Tanto o imediato, quanto aqueles de devem surgir de tempos em tempos (o IPTU, por exemplo). 

Com esse cuidado, você terá mais controle financeiro e vai evitar problemas no futuro.

7. Comparação entre aluguel e compra

Em geral, comprar um imóvel é mais vantajoso, por você vai pagar mensalmente por algo que é seu. 

Porém, podem existir casos em que o aluguel será mais interessante. Se você pretende morar pouco tempo em determinada cidade, por exemplo, comprar um imóvel pode significar ter dores de cabeça para vendê-lo depois.

Por isso, sempre compare entre aluguel e compra, para entender qual é mais vantajoso para a sua realidade.

8. Procure opções de economizar

Alguns tipos de imóveis podem ter custo mais baixo, e vale a pena avaliar essas alternativas. Assim, você pode conseguir economizar e deixar o orçamento mais folgado.

Imóveis na planta, por exemplo, tendem a ser mais baratos. Eles também podem demorar anos para serem entregues, mas talvez a economia compense para o seu caso.

Também existem os programas de financiamento público de moradia, tanto do Governo Federal, quanto programas locais. Pesquise sobre eles e verifique se você se encaixa nas condições necessárias.

9. Avalie as opções disponíveis

Apesar de o financiamento ser a opção mais comum na hora de comprar um imóvel, existem mais opções para custear esse tipo de bem.

Uma alternativa é quitar o imóvel à vista, caso você consiga juntar todo o dinheiro. Inclusive, esse tipo de transação dá uma margem maior para negociar, e você pode conseguir diminuir o preço do imóvel.

Também existe o consórcio imobiliário, que é uma opção mais em conta, pois não tem juros. Mas o consórcio é indicado para compras futuras, pois você precisará ser sorteado para ter o dinheiro na mão e comprar sua casa.

Todas essas alternativas são interessantes para diferentes perfis. Então, avalie cada uma. Assim, você terá mais segurança de escolher a mais interessante para sua realidade,

10. Compare preços e taxas de juros

Os bancos e financeiras cobrar valores bem variados de taxas de juros. Além disso, imóveis muito parecidos têm preços diferentes.

Isso quer dizer que você precisa pesquisar e comparar bem suas opções, em todos os aspectos.

Considerações finais

Agora que você já sabe como comprar um imóvel, lembre-se: o planejamento é fundamental!

Sem ele, você pode fazer uma compra ruim, escolher um imóvel problemático ou se enfiar em dívidas. Todo cuidado é pouco na hora de adquirir um bem tão grande!

Comentários