Você já deve ter percebido que os bancos mudaram, não é? Basta voltar alguns anos na memória para lembrar que era necessário ir até uma agência para qualquer coisa, desde atualizar o cadastro até fazer um pagamento. Hoje a transformação digital e o mercado de crédito andam juntos para fazer o setor evoluir.

Clientes já podem executar quase todas as tarefas pelo celular ou computador, com apenas alguns cliques. Mas a transformação digital acontece também em todos os processos das empresas, para torná-las mais ágeis e competitivas.

Agora, vamos entender melhor o que é a transformação digital, como está sendo adotada no mercado de crédito e qual a importância disso para o fortalecimento do setor. Siga conosco!

Operações online e mobile são um dos efeitos da transformação digital

O que é transformação digital?

Transformação digital é um processo de mudança que busca inserir as organizações na era digital. Trata-se de colocar a tecnologia e a inovação no centro das estratégias para tornar os processos mais ágeis, eficientes e seguros — características essenciais para ter competitividade no mercado atual.

Vivemos em um mundo hiperconectado. Não há mais distinção entre online e offline, porque a internet permeia as nossas vidas em todos os passos. Tecnologias de inteligência artificial e internet das coisas já fazem parte do nosso dia a dia — e, muitas vezes, sequer percebemos.

Por isso, vivemos na era digital. Isso traz implicações para todos os âmbitos da realidade — as relações sociais, o ambiente de trabalho, o mundo acadêmico, o cenário econômico e, é claro, o mercado financeiro. A hiperconectividade torna a vida mais ágil, mas também acelera demais; aproxima as pessoas, mas também polariza; facilita o acesso à informação, mas também aumenta a insegurança com violações de dados.

Portanto, as organizações não podem ficar alheias à era digital. Isso significa não apenas adotar tecnologias, mas principalmente transformar a empresa para enfrentar os desafios do presente e se manter relevante e competitiva diante dos novos cenários.

Panorama da transformação digital no mercado financeiro no Brasil

No mercado financeiro, a transformação digital é marcada pelo surgimento das fintechs, que são startups e empresas de tecnologia voltadas para o setor.

O Brasil é um dos países com maior concentração bancária no mundo. De acordo com o estudo Distrito Fintech Report 2020, cinco bancos brasileiros detêm 85% dos ativos totais do segmento comercial. Além disso, o setor é marcado por regulações e burocracias que travam o desenvolvimento.

Porém, mesmo com o cenário desfavorável à concorrência e à evolução, o surgimento das fintechs foi capaz de movimentar o mercado e acelerar as transformações em prol da experiência do cliente.

Empresas já conhecidas, como Nubank e PicPay, passaram a oferecer serviços totalmente digitais, com grande eficiência e, ao mesmo tempo, menos custos para o cliente. Diversas transações passaram a ser feitas sem precisar sair de casa, em uma plataforma amigável, com total autonomia e agilidade.

Mudanças como essas fizeram as grandes instituições se mexerem. O Bradesco, por exemplo, criou o InovaBRA, um ecossistema de inovação; o Next, um braço totalmente digital do banco; e a BIA, uma assistente virtual que permite realizar diversas transações até pelo WhatsApp.

O Itaú, outro exemplo, criou o Cubo, uma comunidade de startups para incentivar o empreendedorismo tecnológico. O Banco Inter, por sua vez, que existe desde 1994, tornou-se totalmente digital em 2015.

A chegada do PIX é outro fato marcante para a transformação digital do setor. Criado pelo Banco Central, o PIX é um meio de pagamento instantâneo, disponível em qualquer banco, que permite transferir recursos em poucos segundos, de forma gratuita, prática e segura.

Perceba, então, que a transformação digital no mercado financeiro é impulsionada pelas fintechs. Porém, o Brasil ainda apresenta inúmeros desafios, como:

  • a desbancarização (1 em cada 3 brasileiros com mais de 16 anos não tem conta bancária);
  • o mau uso do cartão de crédito (1/3 dos usuários não sabe o limite do seu cartão);
  • a falta de planejamento financeiro (58% dos brasileiros não controlam, ou controlam só às vezes, a sua vida financeira);
  • um dos maiores spreads bancários do mundo (a diferença entre o que o banco paga para captar recursos e o que paga para oferecer empréstimos).

Portanto, como dissemos, a transformação digital precisa mirar também nos desafios que se apresentam, para que a tecnologia sirva para melhorar a vida das pessoas.

Quais os benefícios da transformação digital no mercado de crédito?

Agora, vamos entender melhor quais são os benefícios de promover a transformação digital no mercado de crédito. O que empresas e consumidores ganham com isso?

Atendimento com mais qualidade e agilidade

Um dos benefícios mais perceptíveis da transformação digital é o avanço no atendimento ao cliente. Se antes era preciso ir até uma agência e ficar esperando em uma fila, hoje é possível fazer tudo pelo celular ou computador — realizar transações, consultar saldos, pesquisar produtos ou falar com o gerente, por exemplo.

O cliente também não precisa mais ficar pendurado no telefone esperando um atendente. Muitas instituições oferecem atendimento por chatbots, que interagem em tempo real e trazem respostas para dúvidas e problemas comuns.

E, mesmo que o cliente precise de um atendente humano, a empresa pode prestar um atendimento de maior qualidade, já que provavelmente tem os dados registrados e centralizados. Afinal, internamente, a tecnologia também anda a passos largos.

Todos esses recursos tendem a tornar o atendimento muito mais eficiente e ágil. Isso é benéfico para o cliente, que tem suas demandas atendidas rapidamente, e para a empresa, que otimiza o trabalho da sua equipe.

Desburocratização

Outro grande avanço proporcionado pela transformação digital no setor de crédito é a desburocratização das operações. Esse mercado costuma ser bastante burocratizado no Brasil, a fim de garantir maior segurança.

Porém, isso também cria obstáculos em muitas atividades, que podem acabar se tornando mais caras e até cair em desuso. Um exemplo é a necessidade de apresentação de inúmeros documentos para abrir uma conta ou obter crédito — hoje é possível fazer isso apenas com dados básicos, até sem intermediação de instituições.

Com a desburocratização de diversas atividades no mercado de crédito, também ganham o cliente e as empresas. O usuário ganha facilidade e agilidade para realizar suas tarefas, enquanto as instituições atraem clientes e reduzem custos de processos.

Automação de processos

Se antes era preciso um atendimento humano até para responder as perguntas mais banais, agora já é possível fazer isso com robôs. Se antes era necessário fazer análise de crédito por meio de anotações e planilhas, ferramentas já podem fazer isso automaticamente.

Com a transformação digital, diversas ações até então manuais podem ser substituídas pela automação. Dessa forma, as empresas ganham mais produtividade: enquanto as máquinas realizam atividades manuais e burocráticas, as equipes podem se dedicar a atividades intelectuais e estratégicas. Assim, lá na ponta, o cliente recebe produtos e serviços de maior qualidade.

Maior transparência

A transformação digital dá mais autonomia para os clientes. Os usuários de um aplicativo de crédito podem acompanhar por ali as suas transações, o andamento dos seus pedidos e todas as cobranças de taxas, por exemplo.

Por isso, as instituições precisam adotar processos mais transparentes, que permitam o acompanhamento pelo cliente.

Além disso, a transparência também deve estar presente nas suas estratégias. Afinal, a era digital tem consumidores mais conscientes e exigentes, que cobram uma postura ética das empresas, não apenas nos seus discursos, mas principalmente na prática.

Mais opções para o consumidor

Se o consumidor é mais consciente e exigente, ele também quer ter mais e melhores opções para as suas escolhas financeiras. Então, a transformação digital abre portas para mais possibilidades de ofertas, que trazem benefícios ao consumidor, como a redução de taxas, melhores serviços e praticidade.

Quanto mais ofertas surgem no mercado, mais as empresas se movem para melhorar seus produtos e serviços e mais os preços tendem a baixar. Então, o mercado evolui como um todo.

3 inovações que a transformação digital provocou no mercado de crédito

Conheça agora algumas das principais inovações que a transformação digital trouxe para o mercado de crédito:

Marketplaces de crédito online

Marketplace é como um shopping virtual, que reúne compradores e vendedores em uma única plataforma. Um marketplace de crédito, portanto, é uma plataforma que conecta quem tem ofertas de crédito e quem deseja tomar empréstimos. Muitas vezes, são empreendedores em busca de investidores.

O Juros Baixos, por exemplo, oferece esse serviço online. Sem intermediários, sem necessidade de ir até um banco e com inúmeras opções na palma da mão, o consumidor passa a ter muito mais poder para fazer melhores escolhas.

Peer to peer lending

Peer to peer lending (ou P2P lending) é a modalidade de empréstimo entre pessoas físicas. Nesse tipo de negociação, não há a necessidade de intermediação de um banco tradicional, e todas as transações são realizadas pela internet.

Os empréstimos P2P geralmente têm taxas mais baixas, menos burocracia e contato apenas online, o que facilita muito a oferta e a tomada de crédito. Essas transações podem ser realizadas nas plataformas de marketplace, muitas vezes por meio do blockchain.

Plataformas de crédito com garantia

Os juros cobrados no Brasil superam a marca de 200% ao ano. Porém, esse nível de cobrança inviabiliza empréstimos para muitas pessoas e acaba aumentando a inadimplência, outro problema recorrente no país.

Por isso, algumas startups, como a Creditas, oferecem a possibilidade de usar bens já quitados (veículos e imóveis, por exemplo) como garantia de empréstimos, o que reduz os riscos e a taxa de juros. Em plataformas digitais, esse processo se torna mais fácil, desburocratizado e acessível para mais pessoas.

Fonte: Creditas

Enfim, perceba como a tecnologia já mudou o mercado de crédito. As mudanças impulsionadas pelas fintechs estão levando a uma transformação digital de todo o setor, que se movimenta para melhorar seus produtos e serviços.

Mas o desafio é ainda maior. As mudanças seguem no sentido da democratização do crédito e de uma vida financeira mais saudável para os brasileiros.

Agora, aproveite para ler sobre a importância da cultura data driven, que é essencial para adotar a transformação digital na sua empresa.

Assinatura: Fernanda Garcia, redatora da Calina Marketing Digital

Comentários