Está cheio de dívidas, e não sabe por onde começar a resolver o problema? Veja um passo a passo do que fazer.

Dívidas acumuladas trazem vários problemas. Dificuldade de conseguir crédito, problemas para comprar bens de alto valor, dores de cabeça em casa e mais.

Por isso, o ideal é sempre ter cuidado para não acumular débitos. Mas se isso já aconteceu, calma: há solução.

Logo abaixo, contamos o que você pode fazer para se livrar das dívidas e cuidar do orçamento. Acompanhe!

Por que o endividamento do brasileiro tem aumentado

Segundo pesquisa, quase 70% das famílias brasileiras estão endividadas. Isso é reflexo especialmente da pandemia, que trouxe vários problemas financeiros.

Começando pelo desemprego de muita gente, que perdeu sua fonte de renda e encontrou dificuldades para manter as contas em dia.

Além disso, a inflação está em alta, e o custo de vida se tornou mais caro. Logo, as famílias também estão solicitando crédito para fazer compras e pagar contas simples.

Os principais débitos em aberto são no cartão de crédito e em empréstimos obtidos nos bancos.

Nova lei do Superendividamento: como funciona?

A nova lei do Superendividamento (Lei 14.181/2021) foi sancionada buscando auxiliar os cidadãos a pagarem suas dívidas com maior facilidade.

A ideia é que o usuário consiga negociar todas as suas dívidas de uma só vez, em um único bloco. Para isso, basta procurar auxílio dos órgãos de defesa do consumidor ou do Judiciário local.

Dessa forma, será estabelecido um plano de pagamento a todos os credores. Podem ser negociadas dívidas de consumo como boletos, contas de energia elétrica, empréstimos contratados e bancos e mais.

Veja como sair das dívidas

Seja usando a Lei do Superendividamento ou não, você precisa adotar um passo a passo cuidadoso para sair das dívidas. Veja abaixo.

Saiba o total de dívidas

A primeira etapa para se livrar das dívidas é entender o quanto você está devendo no total. Apenas assim você conseguirá planejar seu orçamento, sabendo o que pagar agora, o que parcelar etc.

Por isso, coloque na ponta do lápis todas as suas dívidas. Tanto as que estão em aberto, quanto aqueles que estão por vencer.

Você deverá listar empréstimos, fatura do cartão e até a conta de energia elétrica. Mesmo que os valores estejam sendo pagos em dia, eles devem fazer parte da sua lista, pois vão indicar quais seus gastos e o quanto você tem para quitar débitos.

Priorize as dívidas com juros maiores

Com seus débitos listados, você poderá verificar quais dívidas têm juros moratórios mais baixos. Ou seja, os juros por atraso no pagamento. Essas, você deverá priorizar.

Deixar os valores sem pagar pode tornar a dívida ainda maior, e você terá problemas para quitá-la depois. 

Trace metas de quitação

O passo seguinte deve ser estabelecer metas para suas dívidas. O quanto você vai gastar e qual o prazo ideal de pagamento.

Esse cuidado vai permitir que você se planeje. Porque antes de começar a quitar as dívidas, você precisa ter a certeza de que vai conseguir fazer isso.

Por exemplo: se você renegociar as dívidas, a credora vai dar a você um voto de confiança. Mas se, por falta de planejamento, você deixar os valores em aberto novamente, terá problemas em uma nova renegociação.

Logo, é essencial criar metas que caibam no seu bolso, para que você possa arcar com elas.

Renegocie sua dívida online

É sempre bom tentar negociar sua dívida em aberto, especialmente se ela já tiver acumulado muitos juros. A renegociação pode garantir a queda das multas e das tarifas.

Isso acontece porque as credoras querem receber o que lhe é devido. Se a empresa entender que você está disposto a pagar, poderá fazer concessões para tal. Mesmo que isso signifique diminuir o valor do débito.

Além disso, costuma ser possível parcelar os valores em mais parcelas. Assim, as mensalidades ficam menores, o que facilita pagar os valores.

A renegociação pode ser feita, inclusive, de modo online. Normalmente, as credoras oferecem a opção em seus sites ou aplicativos.

Evite gastos desnecessários

É sempre bom evitar gastos supérfluos. Gastos desnecessários fazem você perder dinheiro, pois os valores poderiam ser aplicados em outra coisa.

Ao mesmo tempo, esses gastos supérfluos podem causar descontrole no orçamento e prejudicar o pagamento das dívidas. Por isso, o cuidado deve ser redobrado.

Busque formas de aumentar a renda

Vale a pena procurar por uma renda extra, para reforçar o orçamento e ajudar a pagar as dívidas. Assim, o dinheiro que você já ganha hoje pode continuar indo para as despesas regulares, enquanto os novos valores quitarão o débito, por exemplo.

Existem vários modos de conseguir uma renda extra. Você pode produzir coisas para vender, como bombons; pode revender produtos de beleza ou outros; pode realizar serviços online, como a produção de conteúdo para a internet; pode conseguir um trabalho temporário, ou ainda os famosos “bicos”.

Tenha um planejamento financeiro e acompanhe

Antes ou depois de pagar as dívidas, é essencial manter o controle das finanças pessoais. Então, você precisa estabelecer um planejamento financeiro completo.

Isso significa acompanhar o quanto é sua renda e qual gasto você tem com ela. Você ainda deve manter o controle dos pagamentos, e pode estabelecer metas de economia.

Poupar dinheiro é uma boa opção por vários motivos. O dinheiro guardado poderá, por exemplo, ajudar na realização de um sonho. Ou ainda, vai servir como um salva-vidas na hora de pagar dívidas que saíram do controle.

A dica principal é anotar tudo que você ganha e que você gasta, e ter cuidado para que esses valores não se desencontrem.

Considerações finais

A palavra-chave para cuidar da sua vida financeira é “planejamento”. Você precisa planejar sua renda, o pagamento das dívidas, e também se planejar para manter todos os débitos em dia.

Parece exagero, mas o mínimo descuido pode causar um desastre na sua vida financeira. Como gastar mais do que devia no cartão de crédito: se você não conseguir pagar a fatura, os juros serão exorbitantes.

Por isso, se planeje e mantenha o cuidado diário. Assim, você vai evitar ter problemas nas finanças e na sua vida como um todo.

Comentários