O povo brasileiro investe pouco, segundo pesquisas. Sendo que uma das causas mais citadas é a falta de dinheiro para aplicar. Mas será isso mesmo?

Sabemos que a falta de conhecimento do  brasileiro quando se fala em dinheiro e investimentos é grande. Além disso, existe o medo  de perder dinheiro.

Essas duas situações, falta de conhecimento e medo, costumam paralisar as pessoas. Ingredientes certos para  perdas, uma vez que numerário parado significa deixar de ganhar. 

Para quem está no começo, o primeiro passo é entender qual a diferença entre renda fixa e variável e assim poder optar por aplicar numa modalidade ou em outra, bem como identificar qual é o seu perfil de investidor.

Com este artigo temos dois objetivos: tornar o conhecimento sobre investimento  mais fácil e diminuir o  receio de investir. Queremos estimular você a ter ganhos e lucros, sempre respeitando  suas características e necessidades. 

Renda fixa ou variável: existe a melhor opção?

Toda escolha exige conhecimento. Optar entre renda fixa e variável pressupõe entender a essência de cada categoria. 

A renda fixa se caracteriza por  aplicações com regras de remuneração já pré-definidas no momento da contratação, isto é, o investidor  tem previsibilidade sobre quanto o dinheiro irá render. 

Já a renda variável é um tipo de investimento composto por ativos e produtos financeiros, que não possuem uma taxa pré-fixada ou negociada, ou seja, sobre os quais não se sabe previamente como e se ocorrerá a rentabilidade.  

A renda fixa é uma opção  mais segura e tem um retorno mais estável, já a renda variável oferece um risco mais alto, devido à volatilidade, porém, com possibilidade de rentabilidade superior.

O que é renda fixa?

Os perfis conservadores e moderados estão sempre próximos aos conceitos de renda fixa. Afinal, os investimentos desse tipo são os que melhor se adéquam àqueles que buscam segurança ao multiplicar seu patrimônio

Ao investir em Renda Fixa você empresta seu dinheiro por um prazo determinado  para instituições financeiras, que  podem ser o banco ou outras e até mesmo para o governo, que utilizam o dinheiro para financiar suas atividades e, quando você tem o dinheiro  devolvido, ele vem com correções em forma de juros. 

Para saber qual é a rentabilidade de cada aplicação é necessário conhecer as diferenças dos títulos  pré e pós-fixados.  Existe ainda uma terceira opção de rentabilidade que é a híbrida.

  • Rentabilidade pré-fixada: um investimento com rentabilidade prefixada quer dizer que o investidor já a conhece na hora da contratação do produto. Permite que se saiba o que será retirado ao fim do período;
  • Rentabilidade pós-fixadas: são vinculadas a índices de inflação ou de taxas de  juros de curto prazo, podendo variar de acordo com o tempo e economia do país
  • Rentabilidade Híbrida: combina características dos títulos pré e pós-fixados, com  parte da rentabilidade  fixa e a outra acompanhando um índice da economia.

Mesmo atuando de maneira segura, é importante ter em mente que nenhum investimento é completamente livre de riscos. Vários títulos da renda fixa são amparados pelo FGC (Fundo Garantidor de Crédito), que protege investimentos de até 250 mil reais sob algumas condições.

A renda fixa é indicada para qual tipo de investidor ?

A renda fixa é uma modalidade de investimento que oferece retornos estáveis e recorrentes. Por isso, é considerada ideal para os investidores de primeira viagem. Também  é uma boa possibilidade para perfis conservadores de investimentos.

 De modo geral é interessante  para qualquer perfil de investidor, já que os investimentos são mais seguros e com baixo risco.

Além disso, são produtos também para as pessoas que aplicam em renda variável, mas que desejam diversificar sua carteira. É comum que os investidores da bolsa, por exemplo, tenham parte de seus recursos aplicados também na renda fixa para manter uma parcela de  reserva mais segura.

O que é renda variável?

Diferentemente da renda fixa, a rentabilidade da renda variável não é conhecida de forma prévia. Nessa categoria de investimentos, você encontra perfis moderados e arrojados. Os ativos envolvidos na renda variável têm preços que se alteram constantemente em função de diversas variáveis.

Existem múltiplos tipos de ativos de renda variável (ações, alguns tipos de fundos de investimento, commodities, fundos imobiliários, derivativos,  etc.). É fundamental analisar e compreender as condições de cada investimento, como:

  • a quais variáveis está atrelado;
  • como funciona a distribuição dos lucros;
  • qual é a saúde financeira da empresa na qual se está investindo;
  • o desempenho esperado;
  • o grau de oscilação do ativo;
  • riscos, etc.

É comum ouvir que um investimento de alto risco promove uma melhor rentabilidade. Ainda que essa afirmação não seja uma regra, é interessante ter essa informação em mente, a fim de tomar decisões adequadas ao perfil de risco de cada investidor, conhecido pelo termo em inglês  suitability.

A renda variável é indicada para qual tipo de investidor?

Para aplicar em renda variável não é bom que o perfil do investidor seja muito conservador. Faz parte do jogo estar disposto a sofrer perdas, sabendo que há possibilidade de retorno diferenciado a médio e longo prazo. 

O perfil moderado é de um investidor que opta por arriscar mais que o conservador em busca de maior rentabilidade. Porém, ele ainda não está disposto a assumir grandes riscos.

Para este perfil o ideal é uma mistura de  recursos tanto na renda fixa como na variável, com uma predominância de investimentos que tenham  previsibilidade de rendimento.

A pessoa com perfil arrojado está disposta a correr maiores riscos, conseguindo lidar com a imprevisibilidade e perdas em curto prazo, em prol de maiores ganhos em um tempo maior. 

Renda fixa x renda variável: quais as principais diferenças?

Com os conceitos de renda fixa e renda variável em mãos, é hora de conferir os pontos que melhor as diferenciam de forma simples e objetiva. Confira a tabela abaixo:

Por que eu devo diversificar a carteira?

A estratégia de distribuir o capital em diferentes alternativas ajuda a minimizar os riscos e garantir uma boa rentabilidade no médio e longo prazo.

Ao ter uma carteira diversificada, com investimentos em renda fixa e variável, com diferentes tipos de títulos, seus resultados deixam de estar atrelados a uma única condição.

Por exemplo, os títulos de renda fixa atrelados à Selic tiveram uma queda nos rendimentos com a baixa do índice, que chegou a 2% em agosto de 2020.

Diante de cenários como esse, ter investimentos variados ajuda a reduzir os impactos das variações do mercado.

A diversificação não tem só o objetivo de minimizar os riscos, mas também de maximizar os ganhos. As variáveis que podem vir a impactar os investimentos além de muitos, são também difíceis de prever, como a atual situação da pandemia. 

Adaptar a composição de produtos mais adequados aos seus objetivos e seu perfil de investidor é fundamental. 

Comentários