Powered by Rock Convert

Para quem está começando a se aventurar no mercado de investimentos, preparamos um artigo para ajudá-lo a encontrar o melhor caminho entre tantos nomes diferentes. Neste post, veremos 4 aplicações boas para quem quer começar a investir.

Entenda sobre aplicações seguras para começar seus investimentos.

Aplique sem riscos e tenha retorno garantido

Separamos quatro tipos de aplicações tradicionais e seguras para que, no ínicio, você não corra muitos riscos ao investir. Lembrando que estas são apenas recomendações, decida qual funciona melhor para você.

O mais falado do momento. O Tesouro Direto é um empréstimo feito por você ao Governo Federal, por isso é considerado um investimento de risco muito baixo. É uma opção relativamente nova, tendo sido implementada em 2002 (lembre-se que hábitos demoram para ser desfeitos e hábitos financeiros não são diferentes) e ainda não tão utilizada como muitos educadores financeiros gostariam.

Há diversos prazos e rentabilidades e é importante escolher o que melhor se encaixa com as suas necessitadas. Mas tenha em mente: a rentabilidade do Tesouro Direto é maior do que a da poupança, sendo uma boa opção para quem quer começar a investir e ir aprendendo.

É possível investir no Tesouro Direto com taxa pré-fixada (você sabe antecipadamente quanto o seu dinheiro irá render) e taxa pós-fixada (seu rendimento irá acompanhar variações na economia, podendo render mais ou menos do que o esperado). No caso do pós-fixado, você pode escolher se o seu rendimento será atrelado à taxa Selic (Tesouro LFT) ou à inflação (Tesouro IPCA). E no caso do pré-fixado, a taxa costuma ser maior quanto maior o prazo acordado.

O tipo mais tradicional de investimento. A poupança é geralmente o caminho mais comum entre aqueles que querem começar a investir, principalmente pela facilidade. Todos os grandes bancos do país oferecem conta-poupança, de modo que muitas pessoas iniciam seus investimentos pela poupança.  Atrai pessoas também pela segurança do investimento, pela simplicidade das regras, pela liquidez diária (seu dinheiro pode ser retirado a qualquer hora), a garantia do FGC, além da inexistência de taxas.

No entanto, o rendimento da poupança é baixo: aproximadamente 0,5% ao mês. Sendo a mesmo taxa para todos os bancos, não importando qual você escolha para abrir a sua conta.

   As aplicações abaixo geram maior rendimento, mas tem riscos ligeiramente maiores.

A poupança é a principal aplicação procurada pelos brasileiros.

O CDB é um título de renda fixa, ou seja, é possível saber antes as regras de quanto o dinheiro vai render até o final da aplicação. Ele também possui o respaldo do Fundo Garantidor de Crédito (FGC), o qual garante que o investidor não perderá seus investimentos (até R$250.000) caso o banco ou instituição financeira não honre seus compromissos.

O rendimento do CDB costuma ser atrelado ao CDI (mas existem outras opções) de modo que é comum encontrar CDBs anunciados como 90%, 100% ou 110% do CDI, por exemplo. O CDB é um investimento que rende mais que a poupança, sendo uma boa alternativa para quem busca fazer seu dinheiro crescer mais rápido. Mas nem tudo são rosas! Os valores mínimos para aplicar em CDB são bem maiores do que na poupança, usualmente a partir de R$3.000 ou R$5.000. Além disso, ao oferecer rentabilidade maior, o CDB também demanda prazos maiores, de modo que você não poderá retirar o seu dinheiro a qualquer hora, caso queira. Os prazos variam, mas é comum encontrar CDBs com prazo de 2, 3 e 5 anos.

Não se esqueça! A maioria dos investimentos financeiros tem imposto de renda e o CDB é um deles. Diferentemente da poupança, no CDB será descontado o IR do dinheiro que render (só do que render! O valor inicial investido é mantido). Lembre como funciona o imposto de renda:

22,5% até 180 dias;

20% entre 181 e 360 dias;

17,5% entre 361 e 720 dias;

15% após 720 dias.

Já é familiarizado com os investimentos acima?

Através de um fundo de renda fixa, você disponibiliza dinheiro para instituições financeiras investirem o seu dinheiro em diferentes opções de renda fixa (como LCI/LCA, CDB e Tesouro Direto). É considerada uma aplicação de baixo risco e pode ser feita de duas maneiras: com taxa pré-fixada (você sabe antecipadamente quanto o seu dinheiro irá render) e taxa pós-fixada (seu rendimento acompanha oscilações na economia, podendo render mais ou menos do que o esperado).

Fique atento não somente às taxas, mas também aos prazos! No caso dos fundos de renda fixa, também não é possível resgatar o dinheiro a qualquer momento, sendo necessário esperar o vencimento. Se programe para não precisar do dinheiro durante o prazo combinado com o fundo e curta maiores taxas de retorno. Além disso, os fundos não contam com a garantia do FCG.

Não se esqueça do imposto de renda, ele é descontado do seu rendimento da mesma forma que no CDB. E, por fim, atente para a taxa de administração! Você terá profissionais do mercado financeiro escolhendo os títulos de renda fixa pra você  e será cobrada uma taxa por esse serviço. Mas fique de olho, recomenda-se evitar fundos com taxa acima de 1% ao ano.

Esperamos que tenha gostado do conteúdo! Fique à vontade para contar suas experiências ou apenas deixar um comentário na seção abaixo. Aproveite para tirar dúvidas e sugerir novas pautas e não deixe de conferir os outros artigos do blog com dicas para organização financeira.

Powered by Rock Convert

Escrever comentário

Shares