Powered by Rock Convert

Ninguém gosta de pagar imposto, não é verdade? Mas não há como fugir dos tributos, afinal, é a fonte de receitas do governo que a utiliza para custear os gastos com saúde, educação, segurança etc.

O Brasil tem uma carga tributária alta, com diversos impostos nas esferas federal, estadual e municipal. Cada um com diferentes características, finalidades e forma de cálculo.

Sendo assim, fazemos a pergunta: a sua empresa já tem um planejamento tributário? Se ainda não, já está na hora de preparar um.

A importância do planejamento tributário

Os tributos são obrigações criadas por força de lei, pelo poder público. Não dá para fugir deles e deixar de recolher pode ser considerado crime de evasão fiscal.

Mas é possível, dentro da lei, utilizando as regras definidas pelo poder público através da autoridade tributária, reduzir o valor a pagar ou postergar o pagamento.

Confira 5 dicas de Planejamento Tributário que evitam despesas inesperadas

Para isso, é necessário um planejamento tributário que irá fazer um estudo e determinar os tributos que a empresa realmente deve recolher, a base de cálculo e a data de pagamento.

O planejamento tributário da empresa começa com algumas definições básicas.

Atividade Econômica

Quando uma empresa é aberta, deve-se informar qual a atividade econômica da mesma, o que a empresa irá produzir, vender, qual tipo de serviço irá prestar.

Esta definição é indicada utilizando-se o Código Nacional de Atividade Econômica (CNAE).

É preciso muita atenção na indicação do CNAE. Indicar um código incorreto ou que não corresponde 100% a atividade da empresa pode implicar em uma carga tributária maior.

A empresa pode alterar o CNAE após sua abertura, mas isso vai exigir mais burocracia junto aos órgãos públicos e, obviamente, mais tempo e dinheiro.

Enquadramento tributário

O enquadramento tributário define como serão calculados os impostos sobre renda e lucro da empresa.

Um enquadramento incorreto pode levar a empresa a ter um custo maior e desnecessário no pagamento de tributos.

A empresa pode ser enquadrada como microempreendedor individual (MEI), simples nacional, lucro real ou lucro presumido.

Existem regras que determinam em qual regime a empresa pode se enquadrar. É preciso fazer simulações e cenários com diferentes projeções de receita e lucro para escolher o melhor regime de tributação.

Incentivo fiscal

O governo (federal, estadual ou municipal) costuma oferecer programas de incentivo fiscal com o objetivo de desenvolver uma região ou um determinado setor da economia.

Estes incentivos podem acontecer de diversas maneiras como, por exemplo, redução de alíquotas ou da base de cálculo de um imposto ou isenções por tempo limitado.

Também são comuns os programas de incentivo em que a empresa, ao invés de recolher determinados impostos, patrocina eventos culturais e/ou educacionais.

É preciso estar atento a legislação específica para se beneficiar destes incentivos, que costumam ter prazos e prestações de contas rigorosas.

Reorganização societária

Algumas empresas realizam diferentes atividades econômicas como indústria e comércio ou comércio e prestação de serviços.

Nestes casos a empresa deve avaliar se não vale a pena uma reorganização societária, criando duas empresas ou juntando todas as operações em uma só com o objetivo de ter diferentes regimes de tributação e reduzir os custos com impostos.

Vamos imaginar uma empresa que vende celulares e ao mesmo tempo presta serviço de reparos e manutenção dos mesmos. A atividade comercial pode ter um giro alto, mas um lucro pequeno enquanto a prestação de serviço é o contrário, o lucro é maior. Talvez valesse a pena separar a empresas em duas: um comércio de celulares e outra de serviços de reparo e manutenção.

Com isso, uma poderia se enquadrar no regime de lucro real e outra no presumido e, com isso, reduzir o total de impostos a pagar.

Quem pode ajudar?

Com a quantidade de impostos e diferentes legislações sobre o assunto no Brasil, pode se tornar complicado realizar o planejamento tributário sozinho.

Para as empresas que não têm condições de montar uma equipe de profissionais especializados no assunto, uma boa alternativa são as consultorias tributárias.

Estas consultorias vão conhecer a atividade e as características da empresa e estudar a legislação na busca das melhores alternativas para a empresa.

Outra alternativa são as empresas de contabilidade e assessoria contábil e fiscal. Estas empresas podem, além de fazer o planejamento tributário, cuidar de todos os assuntos referentes a tributos e impostos (área da fiscal) da empresa.

Agora que você já sabe para que serve e qual a importância do planejamento tributário, procure as pessoas que irão te ajudar a sair deste labirinto de impostos e reduzir os custos para a sua empresa.

Powered by Rock Convert

Escrever comentário

Shares