“Vamos fugir, deste lugar, baby…” Nós sabemos que até os menos “cringes” leem essa frase cantando 😅. E quem ainda não pensou em viajar quando os indicadores da pandemia começaram a mostrar um cenário menos arriscado, não é mesmo? Aos poucos, as pessoas começam a voltar à rotina, e as viagens estão entre os principais objetivos.

Se você é dessa turma, ainda que a ansiedade seja muita, não dá para negar que é preciso fazer um bom planejamento financeiro para viajar. Afinal, o mais legal desse tipo de passeio é poder aproveitar cada minuto sem preocupação com dinheiro.

Nós vamos te ajudar a se planejar e economizar para viajar do jeito que você merece, e listamos algumas dicas práticas para isso. Acompanhe!

1. Falar em antecedência é clichê, mas essa é a palavra de ordem

Pensar em viajar, de última hora, só é vantajoso para quem não tem compromisso de dia e hora para ir e voltar. Afinal de contas, a pessoa com tempo (e dinheiro) livre pode aproveitar uma promoção relâmpago para comprar passagens com datas mais flexíveis e repentinas.

Porém, sabemos que esse é um cenário impossível para muitas pessoas — como quem precisa negociar antecipadamente férias no trabalho, entre outras situações. Por isso, a melhor forma de fazer o planejamento financeiro para viajar é organizando-se com antecedência. 

É com calma que você conseguirá pensar em coisas como:

  • o melhor momento para viajar, considerando questões financeiras, climáticas e períodos fora de alta temporada;
  • todos os custos da viagem, como passagens, hospedagens, passeios, gastos com alimentação e transporte, entre outros;
  • o tempo necessário para guardar o dinheiro, e a quantia que será poupada mensalmente para esse fim;
  • o que é preciso comprar para levar na viagem, de acordo com o destino escolhido, como mala, roupas de frio, barracas e acessórios.

Lembre-se de que, apesar de parecerem menos relevantes, essas despesas representam uma parte importante do seu orçamento.

2. Exclusividade para o dinheiro da viagem

Quando você reúne o dinheiro em um local específico para o seu objetivo, fica muito mais fácil ter uma visão clara de quanto de grana já tem e o quanto ainda precisa. E também dá pra saber se já ganhou alguma renda extra simplesmente por deixar o dinheiro lá, quietinho.

Imagine que você tenha a meta de juntar R$ 3 mil e que deixe essa grana na conta bancária, junto do seu salário mensal, por exemplo. Nesses casos, você pode gastar a reserva financeira sem perceber — mesmo que você identifique os valores na conta.

Por isso, o ideal é ter uma conta digital remunerada para juntar o que precisa para fazer a viagem com tranquilidade, se organizar de forma eficiente e, o mais legal: deixar o dinheiro rendendo um trocado por isso. 

Mas vale reforçar: é claro que existem outras formas de investimento possíveis para a sua reserva de viagem render com o tempo, as carteiras digitais são apenas uma das formas!

3. Bem-vinda, baixa temporada!

Não é segredo para ninguém que viajar em altas temporadas encarece o custo para os turistas e isso acontece, justamente, porque tem muito mais gente circulando pelas cidades. 

Porém, você sabia que não é só o preço dos produtos e serviços locais que são influenciados pelo menor volume de pessoas? O que acontece é que todo o segmento turístico é impactado — inclusive, as companhias aéreas. 

Em baixas temporadas, por exemplo, há menos procura por passagens aéreas e as empresas precisam vendê-las para que o voo realmente aconteça. Já reparou como é raro ver um avião vazio? 

Por isso, é mais fácil encontrar promoções e passagens econômicas nesses períodos pela necessidade de realizar a venda. Assim, você economiza na cidade de destino e também na compra do assento.

Além disso, geralmente — vale lembrar que isso não é uma regra — as passagens em horários não comerciais costumam ter preços mais atrativos. Já considerou viajar de madrugada, por exemplo? 

4. Hora de fazer uma renda extra

Investir em uma atividade que te proporcione uma renda extra é algo que vai ajudar a realizar a sua viagem com muito mais tranquilidade financeira ou até mesmo a antecipar seu passeio. Por isso, pense nessa renda como uma facilitadora de viagens.

É possível, por exemplo, negociar horas extras na sua empresa, caso ela faça esse tipo de pagamento. Você também pode fazer algo para vender, trabalhar com revenda de produtos ou até receber para responder pesquisas.

5. Sites e apps de viagens serão seus melhores amigos

Não tem como fugir dessas ferramentas se o objetivo é economizar para viajar. Nesse momento, será preciso ficar de olho em tudo que é app e site, como 123 Milhas, MaxMilhas, TripAdvisor, Kayak, Google Flights, Skyscanner e Yelp.

Essas plataformas são excelentes recursos para comparar preços das passagens e hospedagens, além de indicar os melhores destinos e oferecer informações e relatos de usuários que já foram ao mesmo local que você deseja visitar.

6. Não confie apenas na memória

Assim como qualquer atividade importante, as viagens precisam ser planejadas de maneira ordenada. Isso quer dizer que, ainda que você não seja muito fã de fazer esse tipo de controle, é importante ter tudo por escrito, seja no papel, no computador ou em um app específico.

Com uma planilha, por exemplo, você conseguirá visualizar de maneira mais clara e acessível tudo aquilo que está em andamento, o que falta ser feito, quais são as prioridades, os custos com a viagem e quais são as melhores empresas para comprar, entre outros.

Muitas pessoas fazem esse tipo de listagem apenas de cabeça, mas quando precisam consultar alguma informação ou pensar em um plano B, tudo fica mais difícil se esses dados não estão organizados.

7. As contas que você precisa fazer 

Por fim, uma dica que muita gente não dá a devida atenção de tão básica que é: é preciso fazer as contas totais e entender se, realmente, esse é um bom momento para viajar.

Alertamos para isso porque é muito comum as pessoas somarem apenas as contas com a passagem e hospedagem e negligenciarem o montante ideal para fazer uma viagem prazerosa e financeiramente viável.

Por isso, faça as contas de todos os gastos (absolutamente todos), acrescente um valor para imprevistos e veja se a conta fechará considerando todos os seus custos do dia a dia e sem se endividar. Não caia no erro de passar tudo no cartão de crédito para lidar com o problema apenas quando voltar!

Por fim, saiba que fazer um planejamento financeiro para viajar começa por identificar, de fato, a melhor hora de se divertir sem preocupação.

Comentários