A bola de neve mais comum que existe dentre as pessoas que passam por um crescimento profissional, financeiro, é o estilo de vida. O padrão de vida que é adotado. Sem planejamento financeiro, manter os hábitos novos fica impossível ao organizar as contas na crise, quando surge uma.

É comum perceber também que as pessoas que possuem maior sucesso financeiro são aquelas que possuem um padrão de vida controlado e bem estabelecido.

Para que o planejamento financeiro pessoal faça sentido, o estilo de vida dessas pessoas é determinado por uma porcentagem específica e segura diante dos gastos do cotidiano dela. Isso dá segurança e oportunidade para planejar o futuro.

O que é padrão de vida

O que é necessário para que você se mantenha vivo? Mas necessário mesmo, não vaidades, ou ostentações. O custo de vida que você tem é ligado diretamente ao nível de renda que você possui. Mas isso não quer dizer que deva gastar tudo o que ganha no mês numa roleta russa para ver se sobrará algo ou não. 

Uma vez estabelecido o custo da real necessidade que você tem para manter-se vivo e operante, conforme seu rendimento aumenta, ou não, o ideal é de que esse custo não sofra alterações uma vez que você não vai precisar consumir mais para sobreviver agora que ganha mais para viver.

Como identificar seu padrão de vida

Entenda o que compõe seu padrão de vida identificando quais gastos você tem e com o que. Se seus rendimentos ficam comprometidos no final do mês é porque não há um controle em seus gastos. Isso é falta de um planejamento financeiro. Esse desarranjo nas finanças na crise pode se tornar um problema grande, então preste atenção para onde vai seu dinheiro.

Em seu planejamento financeiro pessoal coloque numa lista seus gastos e seus ganhos. Anote tudo o que você consome no dia a dia e veja se isso tudo é plausível. Identifique algo que faça parte do seu cotidiano e meça sua real utilidade: isso é realmente necessário, ou é um desejo impulsivo? 

Um exemplo do que acontece com frequência com moradores de São Paulo, é que os custos com meio de transporte alternativo por via de aplicativos que, na hora, a viagem se apresenta a um custo baixo, mas no final do mês, quando se acumula o custo total, se torna um valor que faz diferença. Isso também se aplica a comida, bebida, roupas e muitos outros itens de consumo. Isso ocorre por conta da facilidade, comodidade e impulso na hora da compra.

Como ele pode te ajudar a alcançar metas no longo prazo

Ao estabelecer um padrão de vida num custo que contenha apenas o necessário, com uma pequena variação, mas sem comprometer seu rendimento final, você terá mais opções de corte caso precise organizar as contas na crise. Isso sem deixar de manter o mínimo necessário já definido para os seus gastos mensais e terá uma base mais volátil para investir. Uma dica importante: mantenha um valor mensal como custo voltado apenas para esses investimentos. 

Redefinindo o padrão de vida

Faça uma lista de ganhos e gastos e estabeleça as prioridades para sua sobrevivência e um mínimo de conforto. Depois faça a soma de todas as contas fixas que você possui, além das necessárias. Posto isso no papel, veja se bate com os valores que você ganha ao mês. Ao finalizar essas contas, identifique o destino dos outros gastos. Para onde estão destinados o restante de seu salário?

Defina prioridades financeiras

A conta fecha quando sobra dinheiro e você não passa necessidades e suas contas estão pagas. Utilize as facilidades tecnológicas a seu favor como as carteiras digitais e obtenha um maior controle do destino que seu salário leva estabelecendo um limite do cartão de crédito, determinando uma área cinza que pode ser explorada pelos impulsos de cada dia sem comprometer o padrão de vida. 

Essa atitude evita problemas de finanças na crise, por isso é importante esse planejamento financeiro. Defina as prioridades de seus gastos, o que é e o que não é essencial para você. Ao realizar essa análise você perceberá quais são os vícios de consumo que você tem, e com o que, permitindo um detox financeiro com a possibilidade de organizar as contas numa crise, por exemplo.

Planeje o futuro com assertividade!

Identificado o padrão de vida que você leva, as reais necessidades para dar prioridade, a necessidade de organizar suas contas numa crise e estabelecido um custo para os investimentos; você poderá dizer que tem um planejamento financeiro pessoal. Posto isso, deixe sua opinião quanto ao que é, ou não, fundamental para manter seu padrão de vida e deixe algumas dicas que para você funcionam.

Comentários