O ano está em sua reta final e nada melhor do que considerar onde investir já pensando em 2022, certo?

Neste mês de dezembro, os analistas das principais corretoras, researchs e bancos apresentaram as suas ações preferidas para passar a virada do ano com o pé direito. Veja a seguir!

Perspectiva dos analistas

Em parte, a atenção dos analistas está fortemente voltada para o cenário econômico brasileiro e internacional. De acordo com o Relatório Focus, do Banco Central do Brasil, a atividade econômica para 2021 teve queda em sua estimativa, passando para 4,78%.

Por outro lado, a inflação, medida pelo IPCA, teve um novo aumento em sua projeção, alcançando 10,15% ao fim de 2021. Enquanto isso, a projeção para 2022 apresentou um IPCA de 5%, chegando ao teto previsto pelo BC. Devido a essa pressão inflacionária, os analistas já consideram um novo aumento na Taxa Selic, isto é, a nossa taxa básica de juros.

Além disso, a identificação da nova variante Ômicron do Coronavírus levantou ainda mais incertezas a respeito da necessidade de implementar novas restrições, o que significa uma nova desaceleração econômica, não só para o Brasil, como para o resto do mundo.

No cenário internacional, o acompanhamento das medidas dos bancos centrais para lidar com a inflação, com a retirada de estímulos, pode sofrer uma aceleração, como nos casos do Fed (BC dos EUA), do ECB (BC europeu) e do BoE (BC inglês). Assim, a medida feita pelos países desenvolvidos pode gerar um cenário mais desafiador para os emergentes, segundo os analistas.

No mês de novembro, o Ibovespa, índice das principais companhias listadas na Bolsa, apresentou um recuo de 1,53%. Sendo assim, foi o quinto mês consecutivo que o indicador encerrou em queda. No ano, o Ibovespa acumula uma retração de 11,59%.

Por conta desses fatores, a Bolsa segue pressionada e a perspectiva no curto prazo ainda está guiada por incertezas. Ainda assim, a oscilação que eles causam na Bolsa abrem espaço para oportunidades de investimento.

Levantamento de relatórios

A princípio, as 18 carteiras reunidas resultaram em 185 recomendações. Desse montante, houve a separação dos ativos que se repetem, englobando ETFs, units, ações preferenciais e ordinárias.

Em seguida, ocorreu a listagem desses ativos, iniciando do mais recomendado até aqueles que receberam pelo menos uma indicação.

Posteriormente, foi feita a filtragem para apresentar as ações que tiveram ao menos cinco recomendações. Assim, a lista abaixo reuniu 10 companhias ao fim do processo.

Ações mais recomendadas: resultados

Em resumo, a lista de ações mais recomendadas pensando em 2022, considerando todo esse processo, é a seguinte

Empresas Ticker Indicações
Vale VALE3 11
Gerdau GGBR4 9
Petrobras PETR4 8
Bradesco BBDC4 6
Lojas Renner LREN3 6
Itaú Unibanco ITUB4 5
JBS JBSS3 5
Klabin KLBN11 5
PetroRio PRIO3 5
Weg WEGE3 5

Destaques

Em liderança isolada, a Vale (VALE3) foi recomendada em 11 relatórios. Em resumo, os preços elevados das commodities e a demanda da China trouxeram fortes resultados trimestrais para a mineradora neste ano, bem como uma grande distribuição de dividendos. E mesmo no cenário atual de mais incerteza sobre a China e preços em patamar menores, esses ainda são os principais fatores que determinam a decisão dos analistas, como no caso do Inter Research e Banco Safra.

Na segunda colocação, com 9 recomendações, está a Gerdau (GGBR4). Como destaque, a companhia apresenta uma expressiva exposição ao mercado internacional que favorece os resultados de sua receita. Segundo os analistas, apesar do aumento dos custos das matérias-primas, como o minério de ferro, por exemplo, a receita se sobrepõe a isso. Ao mesmo tempo, a demanda dos EUA pelos produtos da companhia a colocam em um cenário favorável. Por isso, as suas ações estão entre as recomendações do Inter Research, Banco BTG Pactual e MyCAP Investimentos, por exemplo.

Em terceiro lugar, aparece a Petrobras (PETR4) com 8 recomendações. De acordo com os analistas, o avanço em seu processo de redução do endividamento, o foco em ativos de maior retorno, o nível atual do preço do petróleo e a nova política de dividendos contribuem para a recomendação da companhia. Por outro lado, a estatal conta com o risco de interferência política, sendo um ponto de atenção. Algumas das recomendações vieram do Banco Safra, Guide Investimentos, Mirae Asset e Nu Invest, por exemplo.

Quem foram os envolvidos?

Durante o processo de coleta das carteiras recomendadas, obteve-se os relatórios de 18 corretoras. São elas: Ágora, Ativa, BB Investimentos, BTG Pactual, Elite, Genial, Guide, Inter Research, Mirae Asset, MyCAP, Necton, Nu Invest, Órama, Planner, Banco Safra, Terra, Toro e Warren.

Texto escrito por Victor Rodrigues

Redator no Guia do Investidor e formado em Economia pela PUC-SP.

Comentários