Para todo e qualquer investimento, sempre há o questionamento de dois assuntos extremamente relevantes a seu respeito: o retorno e a segurança do ativo. E no caso do Bitcoin, a situação não é diferente.

Considerando apenas 2020, o Bitcoin já acumula valorização de 73,88% de acordo com o Google Finance baseado nos dados oferecidos pela Coinbase. 

Caso o período observado seja maior, então o seu histórico apresenta uma valorização a níveis ainda mais impressionantes. Portanto, não é à toa que o ativo chamado de “ouro digital” permanece cada vez mais em alta entre os investidores.

A respeito da segurança, o Bitcoin conta com o sistema blockchain a seu favor. Em suma, o sistema até o momento não registrou nenhum tipo de falha por um ataque hacker em todos os seus anos de existência. Assim, embora não seja perfeito, o sistema se tornou um ponto positivo no quesito segurança por causa de sua eficiência.

Devido a esses fatores, surgiram nos últimos anos várias corretoras — chamadas de exchanges —, tanto no mercado brasileiro, como no mercado global, buscando facilitar o acesso aos criptoativos. 

Com tamanha variedade de opções, é uma boa ideia fazer uma pesquisa para encontrar a exchange que apresente taxas justas, uma plataforma funcional e segura, entre outros fatores. Acompanhe a seguir alguns critérios para você levar em consideração na hora de fazer a escolha.

Critérios para escolher uma exchange

Atualmente, já existem exchanges que se destacam entre as melhores exchanges de Bitcoin do Brasil. Observando o perfil de cada uma delas, o Guia do Investidor destacou os seguintes critérios para escolher a Exchange ideal.

  • Taxas: Todas as boas exchanges apresentam as taxas cobradas em seus sites oficiais, sendo possível ficar por dentro dos valores antes mesmo de criar um cadastro. Assim, você já pode saber na ponta do lápis quais custos estão envolvidos;
  • Plataforma: O tempo de processamento de uma transação não é instantâneo e pode variar de minutos a algumas horas. Nesse sentido, as exchanges apresentam um tempo estimado para mostrar de antemão o que você pode esperar da plataforma; 
  • Oferta de moedas: Seu objetivo é investir apenas em Bitcoin ou em outras Altcoins? Nem todas as exchanges oferecem os mesmos criptoativos e, por isso, é importante conferir quais são as opções disponíveis;
  • Segurança: A exchange investe em segurança? Quais são os seus protocolos? Teve algum histórico de perdas por ataque hacker? São algumas questões relevantes;
  • Possíveis problemas: Não existem corretoras perfeitas. Assim, sites como o Reclame Aqui permitem que possamos ver quais problemas podemos enfrentar na plataforma, se são de fácil solução, bem como o atendimento da exchange diante desses questionamentos;  
  • Transparência: Dinheiro é coisa séria e as melhores exchanges sabem bem disso. Portanto, a comunicação tem clareza e é objetiva. Assim, verifique se a exchange busca facilitar o acesso a tópicos como os mencionados acima para promover um melhor entendimento do seu funcionamento.

Por fim, o GDI fez uma série de posts avaliando a confiabilidade das principais exchanges do mercado brasileiro, além de outros detalhes. Para conferir os posts e saber mais informações a respeito, acesse aqui.

Autoria:

Victor Rodrigues
Redator no Guia do Investidor e formado em Economia pela PUC SP.

Comentários