Luzes acesas, capô esquentando, direção que puxa para um lado e uma quilometragem exageradamente elevada são alertas de que é preciso conversar com o seu mecânico.

Já faz um tempo que você tem a impressão de que seu carro não anda mais o mesmo? Notou alguns ruídos estranhos, luzes que sempre passaram despercebidas, mas que, agora, insistem em permanecer acesas, e um odor que lembra algo queimado?

Possuir um veículo exige uma rotina de cuidados básicos para que pequenos problemas não se transformem em grandes dores de cabeça e prejuízos financeiros.

Por isso, é importante manter a atenção para pequenos sinais de que o seu veículo pode estar precisando de revisão. Esses cuidados devem ser feitos para qualquer tipo de automóvel, sejam carros seminovos ou saídos diretamente da concessionária. Confira algumas dicas para ficar alerta.

Direção torta

Uma questão recorrente e bastante grave, se permanecer por muito tempo, é sentir que a direção do carro está puxando para algum lado. Isso pode indicar problemas no alinhamento das rodas, na caixa de direção ou na suspensão.

Esse problema também ocorre com frequência se o carro costuma passar por vias esburacadas ou o quebra-molas é usado com excesso. Se o veículo já sofreu colisões, é possível que esse problema indique que a reparação não foi bem feita.

Capô esquentando

Se você percorreu poucos quilômetros e já sente o capô esquentar ou até percebe fumaça saindo da parte da frente do carro, é hora de mandá-lo para uma oficina mecânica. Esse pode ser um sinal clássico de problema com a bomba d’água ou a ventoinha, peça responsável por resfriar o radiador.

Por isso, algumas medidas preventivas são importantes, como a realização de uma limpeza adequada, a troca regular de água, a adição da solução do radiador (quando for preciso) e a verificação do sistema periodicamente.

Problemas elétricos

Se você começou a reparar que algumas luzes que nunca deram sinal de vida permanecem acesas quando o carro está em movimento, este é um sinal de que pode haver problemas elétricos com o veículo.

Outros sinais de que a parte elétrica precisa de reparo são problemas para dar a partida ou, pelo menos, um dos faróis (ou fusíveis) estar queimado. Isso pode indicar falhas na bateria ou no alternador. Se o mecânico apontar problemas com a bateria, verifique se ela está no prazo da validade e planeje-se para trocá-la antes do vencimento.

Quilometragem alta

Outro problema bastante frequente ocorre quando você percebe que a quilometragem não condiz com o tanto que o carro foi usado. Esse é um fator especialmente relevante para quem está pensando em vender o veículo.

Quanto menor a quilometragem, menos o carro foi utilizado, o que diminui o desgaste e não reduz tanto o preço. Se o automóvel já ultrapassou 100 mil quilômetros rodados, é bom parar na oficina para realizar uma revisão e retardar uma desvalorização maior posteriormente.

Danos físicos

Se você percebeu pequenos amassos e arranhões na carroceria do carro, não demore para pedir a ajuda de um mecânico. Problemas menores podem se tornar maiores, provocando desalinhamentos consideráveis entre o compartimento dos passageiros e do porta-malas, por exemplo.

O mais comum é que os carros passem a exigir manutenção mais frequente após três anos de uso. Esse é o melhor período para vendê-los, mas também é possível negociá-los após terem rodado 60 mil km. A 3ª revisão costuma ser a mais cara, pois, geralmente, envolve a troca de amortecedores, correia dentada e pneus.

Todos esses sinais lembram que é fundamental realizar manutenções preventivas, que vão evitar surpresas desagradáveis, sobretudo, em ocasiões de emergência, e gastos enormes, que poderiam ser menores caso o problema tivesse sido detectado antes. Se o seu carro é seminovo, é essencial saber o histórico do veículo.

Comentários