O IGP-M é um dos índices mais importantes no mercado financeiro.

A economia nacional é regulada pelos gastos e pelos índices que formam grande parte dos valores que são aplicados no nosso cotidiano. Dessa forma, é imprescindível se informar sobre como cada indicador pode interferir nas despesas e nos rendimentos financeiros.

Assim como outros índices, ele influencia em alguns gastos do dia a dia e também interfere nos investimentos financeiros, pois atua como um indexador para alguns investimentos de renda fixa.

Por este motivo, é essencial entender sua aplicação e seu funcionamento. Você sabe calculá-lo? Veja a seguir como ele funciona!

O que significa IGP-M?

Chamado Índice Geral de Preços do Mercado, o IGP-M é medido pela Fundação Getúlio Vargas (FGV IBRE) e é um dos índices mais conhecidos, pois afeta diretamente os custos de quem mora de aluguel, já que reflete no reajuste dos valores.

Além disso, o IGP-M também é indexador de contratos, tendo grande influência sobre os reajustes dos valores de cobrança dos aluguéis. O índice também influencia diretamente em gastos do dia a dia, como:

  • Mensalidade de escolas;
  • Determinados planos de saúde;
  • Tarifa de energia elétrica;
  • Investimentos financeiros (em diversos tipos de aplicações).

Logo, por interferir em muitos setores financeiros, é importante entender o que significa, qual é o seu impacto nos gastos e, consequentemente, na vida dos cidadãos.

Como funciona o cálculo do IGP-M?

O IGP-M é calculado mês a mês e registra a inflação de preços, como o valor dos bens de consumo e das matérias-primas, por exemplo. O índice é obtido por meio da média aritmética de três outros índices, e, neste cálculo, cada um deles possui um peso diferente. 

São eles: Índice de Preços ao Produtor Amplo (IPA), com o maior peso de todos, 60%; Índice de Preços ao Consumidor (IPC), com peso de 30%, e Índice Nacional de Custo da Construção (INCC), com peso de 10%.

Assim, a FGV, entidade responsável pelo cálculo, faz um levantamento baseado nos preços de todo o País, considerando a agricultura, a construção civil, a indústria, entre outros serviços, que são previamente coletados para compor os índices, e divulga os dados de cada mês.

Como o IGP-M está ligado aos investimentos?

Quando há um aumento na porcentagem do IGP-M, os preços sobem e, assim, gastos do dia a dia ficam mais caros, o que contribui com a desvalorização do dinheiro. Afinal, os rendimentos, como o salário, por exemplo, não são corrigidos mensalmente de acordo com a inflação.

E como o IGP-M também influencia a rentabilidade dos investimentos, é essencial analisar a inflação, avaliar o valor do índice no mês em questão e entender quais são os impactos do IGP-M para o mercado financeiro.

Os investimentos de renda fixa que rendem com base no índice seguem a variação de acordo com a sua rentabilidade. Assim, a aplicação renderá conforme as mudanças mensais do IGP-M, aliado a um percentual fixo, que normalmente é definido durante a compra do título. 

O índice auxilia os investidores que procuram proteção para o seu poder de compra. Dessa forma, ao fazer uma aplicação, é preciso se atentar ao valor do IGP-M naquele mês, pois ele funciona como uma reposição inflacionária, ou seja, interfere no valor final dos rendimentos.

Assim, é preciso se atentar ao rendimento bruto nominal, bem como ao rendimento líquido nominal e, então, ao rendimento líquido real, que contempla os impostos e também o desconto da inflação no período avaliado.

Afinal, é o rendimento que vai revelar quanto uma aplicação poderá te gerar lucros. 

Como calcular o IGP-M acumulado

Assim como o cálculo dos juros compostos, para entender qual é o resultado do cálculo do IGP-M acumulado, é preciso considerar os valores mensais do índice ao longo de um ano completo.

Portanto, o total acumulado do IGP-M é o total dos valores mensais, dentro de 12 meses consecutivos.

Confira a seguir os valores mensais do IGP-M e também seu acumulado no ano, durante os 12 meses anteriores, em 2020:

IGP-M referente ao ano de 2020
Mês Índice do mês (%) Acumulado no ano (%)
Janeiro 0,48 0,48
Fevereiro -0,04 0,44
Março 1,24 1,69
Abril 0,80 2,50
Maio 0,28 2,79
Junho 1,56 4,39
Julho 2,23 6,71
Agosto 2,74 9,64
Setembro 4,34 14,40
Outubro 3,23 18,10
Novembro 3,28 21,97
Dezembro 0,96 23,14


Como verificar os valores do IGP-M atualmente?

É possível verificar os valores mês a mês, inclusive o acumulado do ano, por meio da divulgação que é feita pela FGV, além de outras informações relevantes sobre o indicador.

De acordo com o site oficial da fundação, o IGP-M subiu 2,58% em janeiro de 2021, um percentual superior ao de dezembro, quando o valor apurado foi de 0,96%. O levantamento também mostra que no mesmo mês o índice havia subido 0,48% e acumulava alta de 7,81% em 12 meses.

O IGP-M e o aluguel de imóveis

Também conhecido como uma possível “inflação do aluguel”, o IGP-M é assim chamado, pois os contratos imobiliários são alterados a partir de cada variação anual que o índice sofre.

Dessa forma, o valor mensal pago ao locador é alterado de acordo com o índice.

Para calcular o valor do reajuste, é preciso multiplicar o valor do aluguel pelo valor do índice no mês referente. Porém, atente-se em fazer o cálculo usando a forma decimal + 1, desta forma, não se deve utilizar a porcentagem.

Seu novo imóvel

Se você deseja parar de pagar estes valores, sonha em sair do aluguel e busca por apartamentos à venda em Porto Alegre, por exemplo, não perca a oportunidade.

Conheça imóveis novos no Apto e realize o seu sonho da casa própria! Você certamente encontrará belos apartamentos com ótimas condições de pagamento e logo conquistará o seu imóvel novo.

Esta matéria foi criada pela equipe do Live, canal de conteúdo imobiliário do Apto, o maior shopping de imóveis novos do Brasil.

Autor: Live

Comentários