A pandemia fez muitos brasileiros perceberem a importância do planejamento financeiro e de investir para ter uma reserva econômica em momentos de crise.

Por isso, fizemos este artigo para orientar você sobre 5 hábitos saudáveis que podem te ajudar a ter uma boa relação com o dinheiro. Assim, esperamos que você possa organizar contas na crise e a longo prazo.

Você pode até achar que o mercado financeiro é complexo e que não consegue dominar a sua vida econômica. Mas agora vai perceber que mantendo alguns hábitos simples já conseguirá reduzir gastos superficiais, focar no pagamento das despesas essenciais e fazer o seu dinheiro render.

Então fique com a gente até o final deste texto para aprender a organizar as suas finanças.

Como ter uma boa relação com o dinheiro pode te ajudar no longo prazo

Primeiramente, você precisa entender a importância de ter uma boa relação com o dinheiro. A sua saúde financeira é também questão de saúde mental. Quando você não tem dificuldade de pagar suas contas nem preocupação com o futuro, evita bastante estresse, discussões familiares e outros problemas.

Além disso, fazer um planejamento financeiro pessoal focando no longo prazo ajuda você a realizar sonhos como fazer viagens e abrir o seu próprio negócio.

Outro fator importante é que você se previne contra imprevistos como o desemprego ou o aparecimento de despesas extras que você não contava.

Diante deste cenário, vamos te mostrar alguns hábitos que te ajudarão neste processo de organização financeira.

Tenha todos os seus gastos e receitas mapeados

Claro que os nossos gastos mensais variam. Mas é essencial mapear os seus gastos e receitas médias para avaliar a sua real situação financeira. 

Assim, você conseguirá verificar se está gastando mais do que ganha e em quais segmentos deve cortar custos.

Imagine que, ao realizar uma análise, você descubra que gasta 30% do seu salário com roupas ou restaurantes, por exemplo. E, por isso, não consegue pagar os gastos mais importantes e acaba atrasando o aluguel ou devendo a conta de luz.

Somente mapeando as suas despesas você consegue ter essa noção para, a partir disso, fazer o seu planejamento financeiro pessoal e identificar quais os principais gastos que precisam ser reduzidos ou eliminados.

Defina metas de gastos

Parte deste processo é definir metas de gastos. Porque não adianta você mapear a sua situação econômica e não tomar nenhuma atitude para mudá-la.

Você pode buscar outras fontes de receita, mas, a forma mais rápida de obter resultados é reduzindo custos.

Para isso, defina uma meta de gastos. Tenha um planejamento mensal, e também separado por segmento. Como exemplo, imagine que você queira gastar R$3.000,00 no fim do mês. Deste valor, R$1.500 serão de aluguel, R$500 de condomínio e outras contas da casa, R$500 de alimentação e R$500 com lazer.

Com esses parâmetros bem definidos, você consegue acompanhar a sua evolução ao longo do mês e perceber em quais segmentos está gastando muito e ainda precisa evoluir.

Evite entrar em dívidas e fazer compras por impulso

Também evite entrar em dívidas e fazer compras por impulso. O e-commerce pode ser uma tentação. Você encontra produtos de todos os tipos na internet, muitas vezes no mesmo site. E esses portais oferecem descontos, promoções, compras parceladas. 

Enfim, são muitos os estímulos que te levam a comprar por impulso, principalmente quando você tem cartão de crédito e pode usar o limite, mesmo que não tenha o dinheiro no momento.

Tudo isso faz você entrar em dívidas e ter problemas financeiros. Por isso, evite gastos supérfluos com compras desnecessárias.

O ideal é que você possua anotado os itens que necessita comprar e, quando aparecer boas ofertas, adquiri-los. Nesses momentos, o cartão de crédito pode ser seu aliado. Tendo o valor destinado a uma compra específica, você pode usá-lo principalmente se oferecer benefícios como milhas ou cashback.

Além disso, caso você já esteja endividado, o primeiro passo é buscar quitar suas pendências. Você pode tentar negociar suas dívidas através de sites parceiros, obtendo bons descontos.

Separe 15% da sua renda

Programe-se para guardar 15% da sua renda ao final de cada mês. Quando você gasta tudo o que ganha, fica sem uma reserva de emergência para organizar suas finanças na crise.

Por isso, separe uma parte da sua renda a cada mês para utilizar em imprevistos. Você pode usar este valor tanto para quitar uma despesa extra que teve em determinado momento quanto para investir o seu dinheiro e ter um retorno a longo prazo. 

Comece a investir

Nesse cenário, comece a investir. Você pode optar por diferentes tipos de investimento dependendo da sua realidade financeira. Há alternativas com retorno fixo, variável, resgate a curto ou longo prazo. 

Ou seja, pesquise as melhores opções de investimento de acordo com a sua situação para escolher a que melhor se adequa a você.

Mantenha constância nos hábitos

Além de tudo o que já comentamos, é importante que você mantenha constância nos hábitos. Ou seja, não adianta investir, economizar e procurar seguir a sua meta de gastos em apenas um mês porque, no longo prazo, você voltará a ter problemas financeiros.

Então incorpore os hábitos saudáveis econômicos para a sua vida através do planejamento financeiro pessoal.

Planejamento financeiro continua essencial

Diante de tudo o que vimos, o planejamento financeiro continua essencial. Assim, procure não desanimar com as mudanças constantes de despesas e siga se planejando para conseguir organizar finanças na crise. E também ter um futuro mais tranquilo a longo prazo.

Considerações finais

Esses 5 hábitos que podem te ajudar a ter uma boa relação com o dinheiro são simples e fáceis de aplicar se você for persistente e não desistir de organizar as suas finanças.

Lembre-se de que, além de ajudar você a não se envolver em despesas, eles farão com que você tenha um futuro mais tranquilo economicamente, através de investimentos a longo prazo.

Comentários