Cuidar do próprio dinheiro já é uma tarefa difícil para muita gente quando se está sozinho, e as coisas podem ficar ainda mais complicadas quando se encontra em um relacionamento sério. Mas não precisa ser assim.

Hoje vamos compartilhar algumas dicas que ajudam bastante na hora de ajustar as contas – no bom sentido – com seu parceiro.

Conversar é fundamental

A primeira e mais importante dica é: conversem. Falem muito sobre dinheiro, isso não pode ser tabu. Conversem sobre os sonhos que tem, as dívidas, os financiamentos, os imprevistos. Sejam sinceros e abertos o tempo todo com seu parceiro sobre esse assunto.

É difícil, sim, mas é fundamental para que a outra parte não se sinta traída por você quando descobrir algum problema financeiro, ou alguma compra que você fez sem contar para ele. É necessário ser sincero, sempre, isso evita muitas brigas.

Claro que não é necessário compartilhar absolutamente todos os gastos, tipo o pastel que comprou na feira ou o cafezinho que tomou depois do almoço. Mas quando se tratam de gastos maiores, é sempre bom conversar com o parceiro e ver se ele está de acordo. Afinal, em um relacionamento, não tem isso de dinheiro meu e seu, mas sim dinheiro dos dois.

Sonhem juntos

A menos que vocês sejam muito ricos, o que só é realidade para uma minoria da população brasileira, precisarão determinar as prioridades para o dinheiro de vocês. Não dá para ter tudo ao mesmo tempo. Então é importante que vocês definam seus sonhos em conjunto.

Claro, inevitavelmente cada um vai precisar ceder um pouco para que vocês consigam chegar em um denominador comum, mas não tem como um casal sonhar coisas totalmente distintas. Se for pra ser assim, é melhor manter a vida de solteiro.

Tracem metas

Os sonhos que vocês planejaram precisam se transformar em metas. Divida o sonho em pequenas metas, alcançáveis por vocês dois, assim fica mais fácil chegar lá. Quando se divide um grande plano em etapas menores, a caminhada e o progresso ficam mais palpáveis, mais visíveis, aumentando a motivação e a disciplina para que vocês continuem focados no que querem.

Comemorem as conquistas

Sempre que atingirem cada uma das metas que determinaram, comemorem. Claro, com moderação. Não adianta gastar toda a grana que tem para comemorar aquela meta.

Pode ser um jantar fora, um pequeno passeio, um item para casa que vocês dois estavam querendo, não importa. O importante é celebrar cada meta alcançada.

Isso também ajuda a manter a disciplina, é o tal do reforço positivo: se ganhamos uma recompensa por uma coisa boa que fazemos, tendemos a nos manter focados para repetir aquela coisa boa, e claro, ganhar uma nova recompensa. 

Dividam as contas

Essa dica vale principalmente para quem já divide um teto com o parceiro: dividam as contas! Exceto no caso de um dos dois estar sem renda, sempre dividam as contas, de preferência proporcionalmente ao quanto cada um de vocês recebe. P

or menor que seja o valor, ser responsável por pagar alguma conta de casa como água, luz, telefone ou aluguel traz uma sensação de pertencimento maior para a pessoa, o senso de dono, sabe? Por isso é importante que ambos arquem com as despesas do lar, afinal, o teto é dos dois, certo?

Já ensinamos em outro texto como fazer essa organização das finanças domésticas entre o casal, você pode ler aqui no nosso blog: Como organizar as finanças em casal.

Um é melhor que dois

Se possível for, esforcem-se para que pelo menos os custos de sobrevivência de vocês se encaixem dentro do salário de apenas um dos membros do casal, e melhor ainda se for o que recebe menos.

Isso ajuda muito a evitar que vocês entrem em dívidas e outros problemas financeiros quando a renda de um dos dois vier a faltar, por qualquer motivo, desde demissão, a doença, ou a uma maré ruim onde os projetos não estão aparecendo, ou vocês não estão conseguindo novos clientes.

Explicando com números talvez fique mais simples de entender: vamos supor que juntos, vocês recebem 5 mil reais por mês, sendo 3 mil reais dela e 2 mil reais dele. Façam o possível para que as contas de sobrevivência como água, luz, aluguel e alimentação, por exemplo, caibam dentro desses 2 mil reais, que é o menor salário entre vocês dois.

Dessa forma, caso haja um perrengue financeiro e a renda de vocês diminua, é possível pelo menos manter as contas básicas em dia, sem correr o risco de um despejo por falta de pagamento, por exemplo.

Claro, se todo o estilo de vida de vocês couber nesse salário menor, é excelente, melhor ainda. Mas se der para encaixar o básico já será uma maravilha. O outro salário, o maior, vocês podem utilizar para os gastos não essenciais, ou seja, seu estilo de vida: comer fora, passear, academia, compras, investimentos etc.

1 + 1 = 1

Quando você entra em um relacionamento sério, não existe mais apenas o eu. O que existe é o casal. Sendo necessário que cada vez mais busquem crescer como casal.

Dessa forma, pode ser que vocês optem por compartilhar todas as coisas, inclusive as finanças. Com isso, passa a existir o dinheiro do casal, os planos do casal, as contas do casal, os desejos, as vontades, os problemas e os defeitos do casal.

Author

Somos uma plataforma de bem-estar financeiro. Em nosso blog falamos sobre finanças pessoais e produtos financeiros como empréstimo, cartão de crédito, seguros e negociação de dívida. A Juros Baixos está desde 2016 desenvolvendo conteúdos de qualidade para nossos seguidores. Acompanhe nossas redes sociais, canal no YouTube e entre para nossa comunidade no Discord.

Comentários