A conexão entre o equilíbrio financeiro e a saúde é significativa, com evidências mostrando que o aumento da segurança financeira está vinculado a melhores resultados de saúde e melhor qualidade de vida.

Uma das demonstrações mais óbvias da ligação entre saúde e finanças é a maneira como a dívida pode afetar seu bem-estar. Estar endividado – ou sofrendo de estresse financeiro – pode iniciar um ciclo vicioso que afeta nossa saúde física e bem-estar. 

Inicialmente, se observarmos a forma como a pressão financeira se traduz em estresse físico, conseguiremos entender que existe uma relação estreita entre saúde e finanças.

Quando não lidamos bem com o dinheiro, ficamos estressados, e esse estresse afeta todas as partes do nosso corpo: o coração, a respiração, o cérebro e os músculos. Ficamos, portanto, adoecidos. 

Isso acontece porque nosso corpo é um sistema integrado, que está inteiramente conectado. Problemas emocionais ou distúrbios psicológicos podem desencadear sintomas físicos e vice-versa. 

Agora que você compreende que há uma ligação entre saúde e finanças, saiba quais são os principais males causados à saúde de pessoas que passam por situações de endividamento ou desequilíbrio financeiro. 

Principais problemas de saúde associados à instabilidade financeira

Segundo um estudo realizado por pesquisadores das Universidades do Arizona (University of Arizona) e Virginia (Virginia Tech University), os principais problemas de saúde causados pela instabilidade financeira são:

Estresse profundo

Uma pesquisa nacional feita por um órgão de proteção ao crédito apontou que mais da metade dos entrevistados (cerca de 57%) se sentem estressados por estarem inadimplentes ou com as contas desequilibradas.

Preocupação, nervosismo, tensão e ansiedade

Todos esses sintomas são fruto do grande estresse causado pelo descontrole financeiro. Eles afetam não só a pessoa que está passando pelas dificuldades, mas também sua relação com as outras pessoas.

Depressão

Sentir-se deprimido pode ser comum entre as pessoas endividadas, pois elas se sentem impotentes e incapazes de mudar a situação. Esse tipo de sentimento pode aumentar à medida que o problema se prolonga sem solução.

Sobretudo, pessoas chefes de família ou que têm grandes compromissos podem acabar desenvolvendo mais sintomas de depressão quando estão passando por situações financeiras desafiadoras.

Distúrbios do sono e insônia

A perda do sono é fruto da ansiedade e do estresse causados pelo momento de instabilidade. É muito comum entre as pessoas com estresse financeiro e pode afetar todas as outras áreas da saúde e da vida social. 

Se você já passou por estresse financeiro, certamente sabe como ele prejudica o sono. É bem provável que você tenha ido dormir pensando em como iria pagar determinada dívida e, sem achar solução, passou a noite em claro. 

Dores de cabeça e enxaqueca

Como consequência dos pensamentos recorrentes e da tensão emocional, o indivíduo endividado pode passar a ter dores de cabeça constantemente e desenvolver uma enxaqueca de fundo emocional. 

Às vezes a dor chega a ser incapacitante, prejudicando o desempenho no trabalho e causando um grande desgaste físico, levando a pessoa a ficar dias de cama sob uso de medicamentos.

Pressão alta e hipertensão

Além das dores e perturbações, todo o estresse e ansiedade podem afetar a pressão arterial, elevando-a a níveis alarmantes. Os sintomas da hipertensão são percebidos em mais de 7% das pessoas que sofrem com problemas financeiros.

6 dicas para lidar com os impactos do estresse financeiro na saúde

Se o estresse financeiro está afetando sua saúde e seus relacionamentos, aqui estão algumas dicas para ajudá-lo neste momento difícil:

  1. Controle suas emoções: Anote suas preocupações para ajudá-lo a descobrir quais problemas enfrentar primeiro. Reconheça suas mudanças emocionais e entenda que são um reflexo de uma situação passageira. 
  2. Cuide da sua saúde: Faça uma dieta saudável e balanceada e se exercite regularmente. Converse com seu médico se você tiver uma condição médica pré-existente que possa ser agravada pelo estresse .
  3. Compartilhe seus sentimentos com amigos e colegas que o apoiam: Identifique pessoas com quem você pode conversar sobre como está se sentindo e que o ajudarão a permanecer positivo.
  4. Seja honesto com sua família: Conte a eles sobre a situação e como isso pode afetar o orçamento familiar. Se o seu relacionamento com seu parceiro estiver sob estresse, tente contornar a situação com conversas sinceras e diálogos abertos. 
  5. Elabore um orçamento: Escreva um resumo de suas finanças e calcule quanto dinheiro você precisa para cobrir seus custos. Você pode precisar limitar seus gastos por um tempo. Pôr de lado algum dinheiro para as contas, criar um fundo de emergência e pagar as despesas essenciais primeiro podem ajudar a aliviar o estresse.
  6. Entre em contato com o seu banco: a maioria das instituições financeiras têm políticas em vigor para ajudar os clientes com problemas financeiros. Entre em contato com seu gerente e converse sobre suas dificuldades. Geralmente, numa boa conversa descobre-se a melhor solução para aquele momento desafiador. 

Comentários