Começamos com uma surpresa: você pode estar endividado nesse momento, sabia disso? Mas calma, isso não significa que seu nome está sujo. Pode até parecer confuso, mas neste artigo você vai descobrir o que o endividamento significa de verdade.

Estar endividado não é necessariamente algo ruim, mas ainda assim é preciso estar alerta  para que essa situação não passe a ser inadimplência. Olha, antes que tudo isso cause um nó na sua cabeça, vem com a gente conferir direitinho o que todos esses termos significam!

O que é endividamento?

O endividamento financeiro significa que uma pessoa tem parcelas ou compras no crédito que ainda vão vencer. Vamos facilitar com um exemplo: sabe aquele celular que você comprou parcelado? É um endividamento!

Ao contrário do que a maioria das pessoas pensam, o endividamento não é ter contas que não foram pagas. Na verdade, quer dizer apenas que alguém possui parcelas a vencer de compras e/ou empréstimos.

Qual a diferença entre endividamento e inadimplência?

Aqui podemos esclarecer a confusão que acontece entre esses dois termos. Como já mencionamos, o endividamento são parcelas a serem pagas. Já a inadimplência é justamente o não pagamento de dívidas.

Consegue distinguir? Ter parcelas a vencer não é necessariamente um problema. O problema de fato começa com a inadimplência, que é o não cumprimento com o pagamento de um débito até o dia de seu vencimento

Como evitar o endividamento?

A possibilidade de efetuar a compra de produtos a prazo pode ser muito positiva para pessoas que não podem arcar com o pagamento à vista. Super facilita a vida, né? O risco mesmo começa quando as compras parceladas são feitas sem nenhum controle.

Exagerar no consumo a longo prazo, pode contribuir para que seu orçamento fique uma bagunça e se transforme em uma bola de neve de dívidas. Um grande desastre! Por isso, a melhor forma de evitar problemas é priorizar a organização financeira.

Segundo uma pesquisa realizada pelo SPC sobre Endividamento, os compromissos que têm maior tendência a se transformarem em dívidas são:

  • Cartão de crédito;
  • Conta de luz;
  • TV por assinatura;
  • Celular/telefone fixo;
  • Crediário em lojas.

Uma boa administração da renda leva em consideração todos os tipos de débitos – como carnês de lojas, cartões de créditos, empréstimos, compras no nome de outra pessoa e também as contas essenciais. Todos esses gastos devem ser colocados na ponta do lápis mensalmente.

Além disso, é muito importante ter controle sobre as despesas do cartão de crédito. Isso porque o pagamento em atraso das faturas recebe a aplicação de taxas de juros altíssimas, o que pode levar ao superendividamento.

6 dicas para se livrar das dívidas rápido

Está lendo esse texto e percebeu que a sua situação financeira de endividamento pode se transformar em inadimplência? Calma, a gente tem dicas certeiras para quem precisa sair rapidinho das dívidas. Olha só:

  • Faça um raio-x nas suas finanças

O primeiro passo para sair das dívidas é realizar uma avaliação em toda a sua situação financeira. Anote todas as dívidas que estão vencidas ou que irão vencer. Verifique qual delas tem juros, quais têm possibilidade de renegociação e quais vão exigir maiores valores para serem quitadas.

Todo esse estudo é que dará base para os próximos passos. Isso pode parecer meio assustador, mas encarar os fatos vai te ajudar a resolver tudo de forma mais consciente e responsável. 

  • Organize seu orçamento

Esse tópico pode dar trabalho, mas tirar um tempinho durante o seu dia para sentar e analisar todos os seus gastos e incluir todas as dívidas em um controle é fundamental. Só assim você poderá ter de fato uma visão geral das suas finanças.

Se possível, crie uma planilha ou anote em um caderno todas as suas contas. Aqui entra tudinho mesmo, viu? Desde empréstimos, faturas do cartão de crédito, aquele almoço com o pessoal da firma, etc. 

  • Comece pelas dívidas com juros maiores

Na hierarquia das dívidas, quem vem primeiro são as que possuem maiores taxas de juros. Isso ocorre porque esse tipo de conta ganha um acréscimo no valor total mensalmente. Então o mais lógico a se fazer é tentar liquidá-las o mais rápido possível.

Com essas contas mais perigosas resolvidas, já temos sinal verde para prosseguir com as demais.

  • Negocie suas dívidas

Após organizar seu orçamento e definir quais dívidas são mais urgentes é a hora de partir para a negociação. Aqui é bom ter conhecimento da sua capacidade de desembolso e também estar atento aos possíveis descontos.

Ao aceitar uma proposta de negociação, sempre tenha em mente que você precisa ter segurança de que conseguirá cumprir com o acordo. Isso porque, ao dar uma passo maior do que se pode, é possível que seu nome volte a ser negativado. Ninguém quer isso, né? 

  • Corte gastos desnecessários

Sei que para muitos esse tópico é delicado, mas se você está no vermelho é importante fazer concessões. Isso, muitas vezes, envolve diminuir gastos desnecessários. Aqui é bom frisar que quem determina o que é ou não necessário é você.

O que vale a pena levar em consideração é o que pode causar impacto de verdade nas suas contas. Por exemplo, economizar água e luz é uma boa pedida, diminuir as vezes em que se pede delivery durante o mês também. Não precisa ser um sacrifício, basta causar um bom retorno. 

  • Se puder, busque uma renda extra

Nos momentos em que a vida financeira pede socorro, é importante não se desesperar e pensar em formas de controlar os danos da situação. Uma boa forma de contornar um perrengue envolvendo contas é a renda extra!

Existem muitas formas de fazer um dinheirinho a mais para dar aquela equilibrada no orçamento.  Encontre uma opção que seja favorável a sua situação e que seja possível de realizar. Assim você consegue somar mais ganhos e pode sair das dívidas de forma mais rápida. 

Como manter a vida financeira equilibrada?

Para ter uma vida financeira equilibrada é fundamental entender que o parcelamento pode ser um aliado, mas também um vilão. O uso exagerado de crédito a longo prazo pode gerar um endividamento “inesperado”.

Isso porque as contas vão se acumulando até que a pessoa finalmente se dá conta de que a sua situação financeira está no vermelho. São faturas demais e dinheiro de menos. A inadimplência pode bater à porta. 

Portanto, tenha sempre em mente que todas as suas despesas precisam estar dentro do seu orçamento. E ao perceber que algo pode estar saindo do controle financeiro, faça o balanço da sua situação novamente. 

E se as pendências chegarem, lembre-se que é possível negociar dívidas sem sair de casa. Não hesite em buscar ajuda para se restabelecer financeiramente!

______________________________________________________

Este conteúdo foi desenvolvido pela QuiteJá em parceria com a Juros Baixos. Para ter mais informações sobre negociação de dívidas acompanhe nosso blog e nosso Instagram

Comentários