Sem dúvidas, a pandemia trouxe muitas dificuldades e mudanças na rotina de todos, especialmente para os pequenos e médios negócios no Brasil. As medidas para evitar a contaminação e propagação do vírus causaram grandes impactos na economia global e local, afetando diretamente a vida de muitos empreendedores. Em alguns casos, o empreendedorismo na pandemia surgiu como uma grande oportunidade, mas isso não significa que a jornada tenha sido menos desafiadora. 

A verdade é que quase todos os negócios precisaram se reinventar para conseguirem dar a volta por cima e se manterem ativos em um cenário tão difícil. O início da vacinação, juntamente com o retorno gradual do comércio, acaba refletindo na melhora desse cenário. Neste texto, vamos te dar várias dicas para você retomar seu negócio em 2021. 

Vamos juntos?

O impacto da crise nos negócios

Segundo um levantamento realizado pelo Sebrae, 58,9% dos pequenos negócios no Brasil interromperam as suas atividades temporariamente durante a pandemia de Covid-19. O estudo, que contou com uma amostra de 6.080 empreendedores de todo o país, revelou, ainda, que houve uma perda média de 75% no faturamento mensal das empresas desde o início da crise.

Os pequenos negócios foram os mais afetados, mas se engana quem pensa que as grandes empresas também não sofreram dificuldades. Apenas os serviços considerados essenciais, como hospitais, supermercados, farmácias e serviços de delivery, por exemplo, puderam permanecer em funcionamento, enquanto todo o resto precisou se adequar à nova realidade. É o caso do setor hoteleiro, artístico, de serviço de transporte rodoviário e aéreo, serviços de limpeza, entre outros.

Empreendedorismo na pandemia: momento é de recuperação

Após passar por tantos altos e baixos, as micro e pequenas empresas no Brasil começam a ver uma luz no fim do túnel. É o que aponta um recente estudo realizado pela BizCapital, fintech de soluções financeiras para micro e pequenas empresas. 

De acordo com a pesquisa, o número de empréstimos concedidos para empresas aumentou 16% no primeiro trimestre deste ano em comparação ao mesmo período de 2020. O capital de giro é a principal razão que leva às empresas a tomarem um empréstimo, representando 65% do total das solicitações no período.

Segundo Francisco Ferreira, CEO e co-fundador da BizCapital, o aumento do número de casos do Coronavírus no país pode ter sido um dos fatores que colaboraram para esse crescimento. 

“Muitas empresas apostaram suas fichas na recuperação e retomada do negócio já no primeiro trimestre do ano. Não foi à toa que 65% dos empréstimos foram feitos para capital de giro, investimento que supre as necessidades básicas de uma empresa e a mantém em funcionamento. A expectativa das micro e pequenas empresas era começar o ano garantindo a saúde financeira e crescimento sustentável do negócio, mesmo durante um período de crise”, comenta Ferreira. 

Criatividade para superar desafios

O setor têxtil foi um dos segmentos que mais sofreu com a pandemia, mas Gilza Morett, dona da Império das Fofas,  conseguiu buscar alternativas para lidar com as dificuldades. “Só fica parado quem não procura alternativas. Organizamos nosso negócio para adequá-lo às novas necessidades e demandas de mercado. Fabricamos máscaras, mudei o nosso estilo para roupas confortáveis, e ainda aproveitei para fazer panquecas por delivery”, comenta Morett.

Já Luís Cláudio, dono da pizzaria Lanches Júnior, em São João de Meriti, por exemplo, conseguiu buscar alternativas para lidar com as dificuldades ocasionadas pela crise do Coronavírus. “Com o fim do auxílio do governo, tivemos uma baixa nas nossas vendas. O comércio teve um freio e, mais uma vez, tivemos que nos reinventar. Para atender a demanda dos clientes, passamos a abrir a loja de dia e trabalhar com quentinhas”, comenta Luís. 

Uma boa gestão financeira é a chave para o sucesso

Para que sua empresa tenha sucesso em sua jornada, é fundamental se atentar às boas práticas de como fazer uma boa gestão financeira. Mais do que isso, você deve estar atento aos movimentos econômicos que podem afetar o desempenho do seu negócio.

Segundo Francisco Ferreira, é essencial adotar uma boa gestão financeira para garantir o crescimento da sua empresa a médio e longo prazo. Com planejamento definido e algumas dicas simples, você pode virar o placar do jogo e fazer a sua empresa voltar a crescer em 2021! Confira:

Mantenha um controle detalhado das entradas

Mesmo que seja no excel ou em alguma outra planilha, esse controle servirá de base para toda a gestão financeira, tanto de fluxo de caixa, quanto de orçamento e planejamentos para prazos mais longos. 

Acompanhe as saídas do negócio

Saber onde o dinheiro está sendo gasto é fundamental tanto para o fluxo de caixa quanto para capital de giro, pois isso possibilitará a mensuração correta das margens de lucro. 

Cuidado com as armadilhas

Uma tarifa bancária ou uma conta atrasada pode parecer inofensivo, mas, no longo prazo, esses valores acumulados podem fazer toda a diferença. Portanto, ao acompanhar as entradas e saídas, fique atento aos pequenos gastos recorrentes.

Esteja atento ao que acontece no seu segmento e na economia

Procure conhecer os indicadores econômicos e a forma como eles podem impactar a sua vida e o seu negócio. Da inflação ao dólar, essas variáveis podem influenciar seus custos ou até mesmo a sua receita. 

Invista no digital

Quem acompanha as tendências de negócios sabe que as vendas online seguem em crescimento no Brasil há alguns anos. Mas esse mercado acabou explodindo durante a crise de Covid-19. Uma pesquisa do Sebrae, em parceria com a FGV, revelou que a pandemia estimulou a digitalização dos micros e pequenos negócios. Hoje, 70% dessas empresas atuam na internet para impulsionar suas vendas. Por isso, se você quer expandir seu negócio, invista na presença digital da sua marca. 

Crédito PJ para capital de giro

Neste momento de retomada das empresas, o empréstimo empresarial pode ser uma boa alternativa quando o seu negócio precisa compor capital de giro para investir no aumento das vendas, comprar estoque e maquinário, fazer reformas ou expandir o portfólio de produtos e serviços. 

“Apesar de existirem algumas razões específicas que levam a solicitação de crédito PJ, no fim das contas, o que vale mesmo é o bom senso e planejamento do empreendedor, que deve mapear todas as necessidades do negócio para garantir um crescimento saudável a médio e longo prazo”, explica Cristiano Rocha, diretor de crédito e co-fundador da BizCapital.

O governo estadual do Rio de Janeiro, por exemplo, acaba de anunciar as condições do programa Supera Rio, que visa conceder empréstimos de até R$50mil a pessoas físicas, microempreendedores e pequenas empresas. Mas quem precisa de um crédito maior, existem outras opções no mercado, como as fintechs, que garantem um processo menos burocrático e com mais agilidade.

As fintechs mudaram totalmente o paradigma dos empréstimos e, hoje, já é possível ter acesso ao empréstimo PJ em apenas algumas horas. Nesses casos, o procedimento é feito online e todas as taxas são dispostas em uma simulação de crédito, para que a empresa possa se programar tranquilamente. Apenas certifique-se de que está fazendo negócio com uma fintech de confiança

“A realidade é que não existe uma fórmula pronta para a recuperação e sucesso de empresas. O mais importante é que o empreendedor faça um bom planejamento baseado nas particularidades do negócio, repense seu modelo de vendas e pesquise as possibilidades de negociar prazos, taxas de juros com fornecedores, e dívidas ativas neste momento de crise”, finaliza Francisco Ferreira.

E aí, anotou as nossas dicas para superar os desafios do empreendedorismo na pandemia? Se gostou do artigo, compartilhe essa informação com sua rede de contatos e bons negócios para você 🙂

Este artigo foi escrito pela BizCapital, fintech brasileira de empréstimo online para micro e pequenas empresas. Precisa de crédito para crescer seu negócio ou uma conta PJ para sua empresa sem custos? Então, pede Biz!

Comentários