Powered by Rock Convert

A alta do dólar pode ser uma dor de cabeça para quem precisa comprar a moeda norte-americana.

Seja para aproveitar as férias, fazer um intercâmbio ou comprar um produto no exterior, a oscilação do dólar pode atrapalhar e até inviabilizar o projeto.

Então fica a pergunta: com o dólar alto, como gastar na moeda estrangeira? Vamos apresentar algumas dicas.

Planejamento

Para quem vai sair de férias e quer viajar para o exterior, a palavra-chave é planejamento.

Passagem aérea e estadia pode representar até 2/3 do gasto total da viagem, por isso, planeje bem as férias. Faça várias cotações de passagem e hospedagem. Há vários sites que auxiliam nesta tarefa.

Se possível evite a alta temporada, que costuma ser entre janeiro e março além do mês de julho. Verifique o clima do país desejado e qual período é considerado baixa estação. Não adianta tentar economizar e visitar um país que estará coberto por neve, se você detesta frio. Por isso, pesquise muito antes de tomar uma decisão.

Para quem vai fazer intercâmbio, verifique as opções de estadia. Geralmente, as repúblicas estudantis são as melhores opções no quesito custo x benefício. Dê preferência àquelas próximas a escola, se for possível ir a pé melhor ainda. Se não for possível ir a pé, pesquise sobre o transporte coletivo. É melhor ir de ônibus ou metrô do que utilizar táxi ou aplicativos, que irão sempre ter um custo mais alto.

Algumas agências de intercâmbio oferecem a opção de se hospedar em casa de família. Esta opção é indicada somente para quem já tem domínio da língua do país e se o preço for realmente interessante.

Por um lado, é uma boa opção para imergir na cultura local, por outro, pode ser um problema se a casa não tiver acomodações adequadas. Se optar por casa de família, peça referências ou entre em contato direto com os proprietários e verifique se há quarto individual, mais de um banheiro na casa (com chuveiro), quantas pessoas moram na casa, os horários da família e se a mesma costuma receber intercambistas. O tempo de deslocamento também é importante bem como as opções de transporte coletivo. Se a casa fica a mais de 30 minutos da escola, não vale a pena. Se não há transporte coletivo como forma de acesso, desista.

Faça um roteiro dos locais a serem visitados e verifique o preço das atrações e se valem a pena o gasto.

Para as refeições, procure preparar a própria comida se isto for possível. Quem se hospeda em hostel, por exemplo, tem uma cozinha à sua disposição. Evite comprar comidas e bebidas no hotel e em lojas de conveniência, sai mais caro. Prefira os supermercados da região. O mesmo vale para restaurantes e lanchonetes, converse com outros hóspedes e com funcionários do hotel (na recepção vão sempre te indicar o próprio hotel ou um “parceiro”). Ande pelas ruas e misture-se a multidão, veja onde os moradores fazem compras. Ande e converse afinal, só porque você é um turista não precisa ficar em uma bolha.

Antecedência

A partir do momento em que você decidiu ir para o exterior, já pode começar a comprar dólar e tentar se antecipar a possíveis altas da moeda.

O ideal é planejar a viagem com cerca de 6 meses de antecedência. Neste período, você já deve acumular a moeda norte-americana fazendo compras mensais ou quinzenais, tentando assim se proteger da variação cambial.

Evite deixar decisões importantes como passagem e hospedagem para menos de 3 meses antes da viagem. Quanto mais antecedência na compra da passagem aérea, mais barata é o preço da mesma. O preço pode mais do que dobrar se você deixar para comprar a 30 ou 60 dias da viagem.

Em algumas atrações, os ingressos podem ser comprados pela internet. Faça um roteiro de locais que você quer visitar e verifique quais os que oferecem a possibilidade de comprar ingresso online. Algumas atrações têm descontos para quem escolhe esta opção de compra.

Para quem pretende utilizar cartão de crédito, faça o desbloqueio entre 1 e 2 semanas antes da viagem. Afinal, você não precisa antecipar a cobrança da anuidade.

Também verifique se haverá a necessidade de contratar plano de internet / telefonia, especialmente para quem vai fazer intercâmbio.

Você pode comprar um chip pela internet e recebê-lo ainda no Brasil. Você até pode utilizar os serviços da sua operadora, mas irá pagar o roaming e será mais caro do que comprar um chip de uma operadora do exterior.

Dinheiro ou cartão?

Antes de comprar dólar, faça cotação com diferentes corretoras e casas de câmbio. Verifique se não há taxas, que podem encarecer e muito a operação.

Muitas pessoas podem se sentir desconfortáveis e inseguras guardando dólar e, por isso, preferem utilizar cartões de crédito ou cartões pré-pago.

Os cartões pré-pago mostram-se uma opção interessante já que você pode fazer a recarga pela internet e pelo preço do dólar do dia da recarga. No cartão de crédito, a conversão será feita pela cotação do dólar do dia do fechamento da fatura, o que pode deixar a compra mais cara. Os cartões pré-pagos costumam cobrar taxas de saque e por período de inatividade por isso, pesquise antes de adquirir.

Seja comprando dólar ou utilizando um cartão, você irá pagar o IOF (Imposto sobre Operações Financeiras). A alíquota é de 1,1% para quem compra a moeda e de 6,38% para quem faz compras utilizando cartões.

Para escolher qual a melhor opção, calcule quanto tempo você irá permanecer no exterior e o que planeja fazer por lá. Muitas cidades são seguras o suficiente para que você possa circular com dinheiro tranquilamente. Além disso, verifique a reputação do hotel e dos locais que você irá visitar.

Faça um orçamento e totalize os gastos. Leve, de preferência, 50% do total em dinheiro. Se não se sentir confortável, leve pelo menos 30%. Dê preferência ao uso dos cartões pré-pagos. Assim que o saldo se esgotar, passe a utilizar o cartão de crédito. Se possível, utilize o cartão de crédito somente para gastos emergenciais ou para compras previamente planejadas.

Para quem vai fazer intercâmbio ou viajar por um longo período, verifique se o banco em que você tem conta corrente aqui no Brasil tem agência no país de destino. Outra opção é abrir uma conta no país onde vai ficar. Embora seja um processo burocrático, é possível abrir a conta ainda estando no Brasil. Também existem serviços de transferência internacional como o Transferwise.

Dólar como investimento?

A alta do dólar pode levar muitas pessoas a pensar em utilizar a moeda estrangeira como opção de investimento.

Não é o que dizem os especialistas.

Apesar do aumento do preço, investir em dólar não é indicado simplesmente por não ser muito rentável. Os fundos lastreados em dólar costumam ter rentabilidade muito baixa e até negativa. A variação cambial costuma ter picos de alta seguidos de um chamado repique, ou seja, a volta do preço a níveis anteriores e sua estabilização.

Por isso, se você procura um bom investimento, fique longe do dólar. O ideal é procurar um analista ou consultor de investimentos ou estudar sobre o assunto. Cuidado com dicas que prometem dinheiro rápido, costumam ser dicas furadas.

Compras pela internet

Para quem pretende comprar um produto em um site no exterior a primeira dica é verificar a reputação do vendedor. Desconfie de ofertas muito baixas e dê preferência para sites conhecidos internacionalmente como Amazon e eBay.

Você pode utilizar um cartão de crédito internacional ou os serviços de meios de pagamento como o PayPal. De uma forma ou de outra, você pagará 6,38% de IOF e o dólar da data de fechamento da fatura.

O mais importante é ter um bom conhecimento do idioma do site em que está comprando e tomar todas as precauções de segurança. Além da reputação do site, como já dissemos, mantenha seu sistema operacional atualizado, seu antivírus atualizados e seu firewall ativo.

 

Powered by Rock Convert

Escrever comentário

Shares