Após comprar um imóvel e fazer a escritura e o registro, esse bem precisa ser cuidado e mantido em boas condições, independentemente se você deseja vender ou manter em sua propriedade. Claro que, não sabendo o amanhã, ter um bem mais valorizado significa melhores condições de venda, quando isso for desejado ou necessário, pois cada falha de conservação se torna uma brecha para um pedido de desconto.

Vamos entender melhor como valorizar o nosso imóvel?

1. Se eu tenho casa

Para casas, o que valoriza, além de espaço e conforto, são itens como manutenção, conforto e a regularidade da documentação, com toda a área construída devidamente averbada e registrada em cartório. Como é um processo não tão rápido, essa averbação precisa acontecer não quando se quer vender, mas quando ocorrerem mudanças na casa.

Quanto à manutenção, o básico consiste na lavagem anual e, após períodos de cinco a oito anos, pintura. A cor é uma escolha pessoal, mas a limpeza e cuidado com a fachada denotam capricho. Fissuras na parede precisam ser corrigidas e beirais ou partes em madeira degradada precisam ser trocados ou reparados.

Jardins gramados, não necessariamente com muitos vegetais, mas que não sejam totalmente cobertos por contra pisos degradados, ajudam a valorizar a casa. Isso dá um aspecto de vida, que quem procura casas quer. 

2. Valorizando meu apartamento: dentro e fora

Apartamentos possuem outros focos, já que são em habitações coletivas e possuem suas particularidades. Dentro deles, é preciso dar atenção também à manutenção e, quando investir em reformas, estar atento aos padrões atuais de construção.

Ainda mais em apartamentos, é preciso fazer reformas sob supervisão de profissionais habilitados (engenheiros e arquitetos), pois há restrições para alguns tipos de modernizações, principalmente as remoções ou acréscimos de paredes em alvenaria. Uma reforma errada, ao invés de valorizar, compromete um prédio inteiro e desvaloriza.

Vale a dica básica de pintura e correção de fissuras, detalhes em gesso e iluminação. O conforto acústico pode ser um diferencial, conforme o local onde o apartamento estiver, o que pode ser obtido com revestimentos acústicos e janelas especiais (desde que sigam os padrões que o condomínio exigir).

Não é uma boa comprar um apartamento pensando apenas na tarifa mensal de  condomínio, pois pode ser uma furada: prédios com baixa frequência de manutenção, além de terem aspecto mais degradado externamente, desvalorizam cada unidade. É um custo constante, e isso vai ter de ser considerado no caixa para investimento.

3. Equipamentos e mobília

Mobília e alguns equipamentos de casa não necessariamente são um valorizador. As pessoas têm gostos distintos, e comprar algo mobiliado é muito mais uma comodidade do que uma satisfação de quem compra. O investimento em mobília não é plenamente recompensado na venda de imóveis, e os corretores deixam clara tal característica.

4. Itens especiais e inteligentes

Com a evolução da tecnologia, alguns itens podem ser especialmente valorizados por quem gosta de casas com recursos inteligentes, isto porque é exigida toda uma adaptação para que isso funcione e não afete a estética e funcionalidade. Automatização de portões, porta com fechadura eletrônica, abertura automática de cortinas, câmeras 360º ativadas com movimento e outros itens podem ser valorizadores.

Por fim,

Vimos um pouquinho sobre o que pode ser valorizador do seu imóvel, tanto casa como apartamento. É preciso ser constante nesse cuidado e, dentro do possível, atender ao básico como pintura, correções de fissuras e ausência de umidade/mofo. Outro ponto não tão visível é a documentação em dia, outro cuidado para manter o imóvel valorizado.


SOBRE A AUTORIA: Esse texto é um oferecimento d’O Blog do Mestre, gentilmente publicado pelo Portal Juros Baixos. O Blog do Mestre é um blog que envolve entretenimento, curiosidades, atualidades e muito conhecimento!

Comentários